Rui Rio tem “dúvidas” que a legislatura chegue ao fim

  • ECO
  • 25 Outubro 2019

No Parlamento para a tomada de posse como deputado, e onde será líder parlamentar do PSD, Rui Rio disse que o PSD não vai apresentar uma moção de rejeição ao Programa do Governo.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta sexta-feira que tem “dúvidas” que a legislatura que agora começa dure os quatro anos apesar de considerar que há “condições” para que isso aconteça, quando chegava à bancada parlamentar do PSD no dia em que o Parlamento toma posse. Sobre o Orçamento do Estado para 2020, Rui Rio diz que não tem “dotes de bruxo”, por isso só se vai pronunciar quando conhecer o documento.

Citado pelo Público, Rui Rio, que depois da derrota nas eleições de 6 de outubro decidiu assumir o seu lugar enquanto deputado, disse que tem “dúvidas de que [o Governo] consiga”. “É um Governo minoritário, tem de fazer permanentemente negociações”.

O líder do PSD disse que os sociais-democratas irá fazer uma oposição “construtiva” ao Governo e que não está “permanentemente em campanha eleitoral”.

Quanto ao Programa de Governo, que o primeiro-ministro disse na quinta-feira que irá aprovar este sábado em reunião do Conselho de Ministros logo após a tomada de posse, Rui Rio disse que o PSD não vai apresentar uma moção de rejeição ao programa, que, entende, não tem de ser votado, apenas apreciado.

Posição sobre o Orçamento só quando for conhecido

Mais tarde, ainda no Parlamento, Rui Rio foi questionado pelos jornalistas sobre a posição do partido em relação ao Orçamento do Estado para 2020. Como tem vindo a dizer, o líder do PSD disse que essa posição só se formará quando conhecer o documento.

“Não tenho dotes de bruxo, portanto não posso dar uma opinião sobre um orçamento que ainda não foi apresentado e que penso que nem sequer existe”, disse o líder do PSD.

Rui Rio admitiu que muito dificilmente o orçamento terá as mesmas linhas que as do programa eleitoral do PSD, deixando antever que será “muito difícil” que o partido apoie o orçamento, mas não quis dar qualquer opinião sobre o documento. “Quando entrar no Parlamento iremos tecer as críticas que entendemos tecer, eventualmente concordar com os pontos que podemos concordar. Agora, sem conhecer o documento como é que eu me posso pronunciar sobre ele.

(Artigo atualizado às 11h43 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio tem “dúvidas” que a legislatura chegue ao fim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião