Rui Rio tem “dúvidas” que a legislatura chegue ao fim

  • ECO
  • 25 Outubro 2019

No Parlamento para a tomada de posse como deputado, e onde será líder parlamentar do PSD, Rui Rio disse que o PSD não vai apresentar uma moção de rejeição ao Programa do Governo.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta sexta-feira que tem “dúvidas” que a legislatura que agora começa dure os quatro anos apesar de considerar que há “condições” para que isso aconteça, quando chegava à bancada parlamentar do PSD no dia em que o Parlamento toma posse. Sobre o Orçamento do Estado para 2020, Rui Rio diz que não tem “dotes de bruxo”, por isso só se vai pronunciar quando conhecer o documento.

Citado pelo Público, Rui Rio, que depois da derrota nas eleições de 6 de outubro decidiu assumir o seu lugar enquanto deputado, disse que tem “dúvidas de que [o Governo] consiga”. “É um Governo minoritário, tem de fazer permanentemente negociações”.

O líder do PSD disse que os sociais-democratas irá fazer uma oposição “construtiva” ao Governo e que não está “permanentemente em campanha eleitoral”.

Quanto ao Programa de Governo, que o primeiro-ministro disse na quinta-feira que irá aprovar este sábado em reunião do Conselho de Ministros logo após a tomada de posse, Rui Rio disse que o PSD não vai apresentar uma moção de rejeição ao programa, que, entende, não tem de ser votado, apenas apreciado.

Posição sobre o Orçamento só quando for conhecido

Mais tarde, ainda no Parlamento, Rui Rio foi questionado pelos jornalistas sobre a posição do partido em relação ao Orçamento do Estado para 2020. Como tem vindo a dizer, o líder do PSD disse que essa posição só se formará quando conhecer o documento.

“Não tenho dotes de bruxo, portanto não posso dar uma opinião sobre um orçamento que ainda não foi apresentado e que penso que nem sequer existe”, disse o líder do PSD.

Rui Rio admitiu que muito dificilmente o orçamento terá as mesmas linhas que as do programa eleitoral do PSD, deixando antever que será “muito difícil” que o partido apoie o orçamento, mas não quis dar qualquer opinião sobre o documento. “Quando entrar no Parlamento iremos tecer as críticas que entendemos tecer, eventualmente concordar com os pontos que podemos concordar. Agora, sem conhecer o documento como é que eu me posso pronunciar sobre ele.

(Artigo atualizado às 11h43 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio tem “dúvidas” que a legislatura chegue ao fim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião