Novo Governo toma posse este sábado às 10h30

O novo Governo de António Costa vai tomar posse este sábado, dia 26 de outubro, às 10h30, no Palácio Nacional da Ajuda. O Parlamento tem agendada a sua primeira sessão legislativa na sexta-feira.

O Presidente da República vai dar posse, este sábado, dia 26 de outubro, ao novo Governo de António Costa. A cerimónia está marcada para as 10h30 e acontecerá no Palácio Nacional da Ajuda, confirma uma nota publicada, esta terça-feira, no site da Presidência da República.

Tal agendamento acontece depois da conferência de líderes desta tarde ter marcado para esta sexta-feira da tomada de posse dos 230 deputados da nova legislatura, como ditam as regras do processo de constituição de um Governo.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa tinha salientado que já tinha “reservado” o próximo sábado na sua agenda para a tomada de posse do novo Executivo, tendo frisado que tal cerimónia estava dependente da decisão da Assembleia da República. “Vamos esperar aquilo que a Assembleia da República vai decidir, sendo que reservei o sábado de manha para esse efeito”, disse o Chefe de Estado, poucas horas antes do agendamento agora confirmado.

A tomada de posse estava, originalmente, agendada para esta quarta-feira, mas uma reclamação do PSD sobre a contagem de votos nos círculos eleitorais dos emigrantes atrasou estes planos. O partido de Rui Rio queria que os mais de 35 mil votos nulos dos emigrantes fossem contados como abstenção — o que levou à suspensão dos resultados das legislativas de 6 de outubro e ao adiamento da tomada de posse — mas o Tribunal Constitucional acabou por rejeitar esse recurso.

Esta decisão permitiu à CNE aprovar o mapa com os resultados finais, que seguiu assim para publicação em Diário da República, dando o pontapé de saída para que a Assembleia da República marcasse a data de tomada de posse dos novos deputados e o Presidente da República, consequentemente, agendasse a tomada de posse do novo Governo.

O primeiro-ministro indigitado já escolheu a equipa completa e o objetivo é que ministros e secretários de Estado tomem posse todos de uma só vez.

António Costa ainda admitiu que a tomada de posse não pudesse acontecer este sábado — no caso de os líderes europeus terem de voltar a reunir-se por causa do Brexit — mas existe em Belém a convicção de não haverá coincidência dessa cimeira com a tomada de posse do novo Governo, apurou o ECO.

Assim que tomar posse, o Executivo tem dez dias para enviar para a Assembleia da República o Programa de Governo. O documento é depois discutido no Parlamento durante três dias. António Costa conseguiu eleger 108 deputados, mas não tem maioria. O primeiro-ministro indigitado garantiu junto dos partidos à esquerda do PS que não haverá rejeição do Programa de Governo, mas nada mais que isso. Governa sozinho e terá de negociar cada Orçamento e cada lei que quiser levar ao Parlamento.

Primeira reunião do Parlamento acontece esta sexta-feira

A primeira reunião da Assembleia República na XIV legislatura realiza-se na sexta-feira, com sessões às 10h00 e às 15h00, decidiu a conferência de líderes, esta terça-feira. “Às 10h00 será feita a verificação de mandatos e depois retomados os trabalhos às 15h00 para a eleição do Presidente da Assembleia da República, da Mesa e do Conselho de Administração da Assembleia da República”, informou o porta-voz da conferência de líderes, o social-democrata Duarte Pacheco.

O deputado do PSD informou ainda que, depois da primeira reunião parlamentar, será convocado nova conferência de líderes que decidirá sobre os trabalhos da nova legislatura e marcará a data do debate do programa de Governo.

Questionado sobre a duração da reunião – cerca de uma hora –, Duarte Pacheco explicou que, sendo a última conferência de líderes da legislatura, houve uma parte dedicada a despedidas. “Sendo a última conferência de líderes e havendo deputados que não continuam em funções quer por sua vontade quer por vontade dos eleitores, houve um momento de despedida entre todos. Independentemente das diferenças políticas, o relacionamento pessoal que soubemos construir ao longo deste mandato mereceu esta palavra de regozijo dos próprios deputados a começar pelo Presidente da Assembleia da República”, afirmou.

(Notícia atualizada às 20h48)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Governo toma posse este sábado às 10h30

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião