“Governos não se medem em função do número de membros”, diz António Costa sobre os 50 secretários de Estado e 19 ministros

Depois de ter apresentado um Executivo com 50 secretários de Estado e 19 ministros, o primeiro-ministro referiu que o importante não é o número, mas sim que o Governo se ajuste às prioridades do país.

Depois de apresentar um Executivo com 50 secretários de Estado, António Costa lembra que “um Governo não se mede em função do número de membros” e que o importante é que estes sejam ajustados “às prioridades do país”. Em conferência de imprensa depois de ter apresentado a lista dos novos secretários de Estado, o primeiro-ministro antecipou ainda que neste Executivo não há relações familiares.

“Os Governos não se medem em função do número de membros. Devem ter uma orgânica ajustada ao programa do Governo e às prioridades do país”, começou por dizer António Costa, em declarações aos jornalistas esta segunda-feira.

Para o socialista, é “seguramente uma prioridade reforçar a coesão territorial e dar uma nova atenção à necessidade de valorização do interior”, continuou, ressalvando que “é importante haver uma elevação a ministério” para concretizar essa ambição, referindo-se à criação do Ministério da Coesão Territorial. Responsável por esta pasta ficará Ana Abrunhosa, uma “mulher que tem todas as condições para desempenhar plenamente as funções atribuídas”, disse António Costa.

Sobre a data em que os novos membros irão tomar posse, Costa explicou que isso está dependente da decisão do Tribunal Constitucional quanto à recontagem dos votos das eleições legislativas, pedida pelo PSD, que deverá ser tomada “entre hoje e amanhã”. “Foi visto com o Presidente da República que há agenda disponível para que a tomada de posse seja esta sexta-feira ou sábado“.

Questionado sobre a polémica de familygate no Governo, o primeiro-ministro começou por responder que aquilo que marcou o anterior Governo foi, entre outros, “a capacidade de assegurar a estabilidade política” e de “recuperar a credibilidade” do país. “Vi muita ficção jornalística e muito poucos casos concretos. O que sabemos é que não há no Governo qualquer tipo de relação familiar”, afirmou.

Sobre as relações políticas com os partidos de oposição, António Costa atirou que a vontade do país para os próximos quatro anos de legislatura é que haja estabilidade. “Há quatro anos houve uma rotura sobre o que era o relacionamento tradicional dos partidos em Portugal. Esta legislatura vai ser diferente, mas não vai ser nem vai voltar a ser como antes“, disse.

O primeiro-ministro rematou, afirmando que acredita — também com base nos contactos que tem mantido com os partidos de esquerda, inclusive com o Livre –, que “há todas as condições para um diálogo político que contribuirá para que haja estabilidade política nestes quatro anos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Governos não se medem em função do número de membros”, diz António Costa sobre os 50 secretários de Estado e 19 ministros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião