“Governos não se medem em função do número de membros”, diz António Costa sobre os 50 secretários de Estado e 19 ministros

Depois de ter apresentado um Executivo com 50 secretários de Estado e 19 ministros, o primeiro-ministro referiu que o importante não é o número, mas sim que o Governo se ajuste às prioridades do país.

Depois de apresentar um Executivo com 50 secretários de Estado, António Costa lembra que “um Governo não se mede em função do número de membros” e que o importante é que estes sejam ajustados “às prioridades do país”. Em conferência de imprensa depois de ter apresentado a lista dos novos secretários de Estado, o primeiro-ministro antecipou ainda que neste Executivo não há relações familiares.

“Os Governos não se medem em função do número de membros. Devem ter uma orgânica ajustada ao programa do Governo e às prioridades do país”, começou por dizer António Costa, em declarações aos jornalistas esta segunda-feira.

Para o socialista, é “seguramente uma prioridade reforçar a coesão territorial e dar uma nova atenção à necessidade de valorização do interior”, continuou, ressalvando que “é importante haver uma elevação a ministério” para concretizar essa ambição, referindo-se à criação do Ministério da Coesão Territorial. Responsável por esta pasta ficará Ana Abrunhosa, uma “mulher que tem todas as condições para desempenhar plenamente as funções atribuídas”, disse António Costa.

Sobre a data em que os novos membros irão tomar posse, Costa explicou que isso está dependente da decisão do Tribunal Constitucional quanto à recontagem dos votos das eleições legislativas, pedida pelo PSD, que deverá ser tomada “entre hoje e amanhã”. “Foi visto com o Presidente da República que há agenda disponível para que a tomada de posse seja esta sexta-feira ou sábado“.

Questionado sobre a polémica de familygate no Governo, o primeiro-ministro começou por responder que aquilo que marcou o anterior Governo foi, entre outros, “a capacidade de assegurar a estabilidade política” e de “recuperar a credibilidade” do país. “Vi muita ficção jornalística e muito poucos casos concretos. O que sabemos é que não há no Governo qualquer tipo de relação familiar”, afirmou.

Sobre as relações políticas com os partidos de oposição, António Costa atirou que a vontade do país para os próximos quatro anos de legislatura é que haja estabilidade. “Há quatro anos houve uma rotura sobre o que era o relacionamento tradicional dos partidos em Portugal. Esta legislatura vai ser diferente, mas não vai ser nem vai voltar a ser como antes“, disse.

O primeiro-ministro rematou, afirmando que acredita — também com base nos contactos que tem mantido com os partidos de esquerda, inclusive com o Livre –, que “há todas as condições para um diálogo político que contribuirá para que haja estabilidade política nestes quatro anos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Governos não se medem em função do número de membros”, diz António Costa sobre os 50 secretários de Estado e 19 ministros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião