Presidente da Portugal Ventures é a nova secretária de Estado do Turismo. CTO da Microsoft fica com Transição Digital

Rita Marques (Portugal Ventures) é a nova secretária de Estado do Turismo, substituindo Ana Mendes Godinho. André de Aragão Azevedo (Microsoft) é secretário de Estado da Transição Digital.

Há novidades na composição do ministério tutelado por Pedro Siza Vieira. A nova secretária de Estado do Turismo é Rita Marques, há uma nova secretaria de Estado da Transição Digital encabeçada por André de Aragão Azevedo e desaparece a secretaria de Estado da Valorização do Interior (porque passa para o novo Ministério da Coesão Territorial).

Rita Marques, que ocupa atualmente o cargo de presidente do Conselho de Administração da Portugal Ventures, vai substituir Ana Mendes Godinho no cargo de secretária de Estado do Turismo, na medida em que esta última vai assumir o cargo de nova ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, como já era sabido.

“Com experiência em gestão e uma forte base académica, incluindo um MBA, tenho conduzido alterações estratégicas, operacionais e financeiras em organizações tanto do setor privado como do setor público. Com um forte foco no cliente e sólidas capacidades de comunicação, tenho confiança na influência e negociação ao mais alto nível”, resume a própria, na sua página profissional no LinkedIn.

Rita Baptista Marques, até aqui líder da Portugal Ventures, vai assumir o cargo de secretária de Estado do Turismo.Bruno Barbosa/ECO

Também era público que, no novo Governo, Pedro Siza Vieira, até aqui ministro Adjunto e da Economia, foi promovido a ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital. Na sequência deste reforço de funções, esta última pasta ganha autonomia mediante a criação de uma nova secretaria de Estado da Transição Digital, que vai ser liderada por André de Aragão Azevedo, que era, até aqui, administrador tecnológico (CTO) da Microsoft Portugal.

André de Aragão Azevedo está há mais de sete anos na Microsoft, tendo assumido o lugar no board da tecnológica em setembro de 2017. Antes, entre fevereiro de 2008 e junho de 2011, foi chefe de gabinete do Ministério da Saúde, tendo formação base no setor do Direito.

Advocatus Summit 2019 - 28MAI19
André de Aragão Azevedo, até aqui administrador tecnológico da Microsoft Portugal, vai assumir o cargo de secretário de Estado da Transição Digital.Hugo Amaral/ECO

Outra novidade é que o ministério tutelado por Siza Vieira perde a secretaria de Estado da Valorização do Interior, que era liderada por João Catarino. Esta passa para a tutela do novo Ministério da Coesão Territorial, encabeçado por Ana Abrunhosa (e também muda de rosto: João Catarino é substituído por Isabel Ferreira).

Para fechar a composição da equipa de Pedro Siza Vieira, uma nota final para a promoção de João Neves. Até aqui secretário de Estado da Economia, passa, no próximo Governo, a ser secretário de Estado Adjunto e da Economia.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h19)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da Portugal Ventures é a nova secretária de Estado do Turismo. CTO da Microsoft fica com Transição Digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião