Siemens compra fábrica de pás de aerogeradores em Aveiro

  • ECO
  • 21 Outubro 2019

A Siemens Gamesa comprou a maioria dos ativos do grupo Senvion, incluindo a fábrica de pás para aerogeradores onshore instalada em Vagos, no distrito de Aveiro.

A subsidiária de energia renovável da Siemens adquiriu uma parte significativa dos ativos do grupo Senvion. Num negócio avaliado em 200 milhões de euros, a Siemens Gamesa Renewable Energy vai ficar com uma “grande parte” das operações e respetivos ativos da empresa, bem como toda a propriedade intelectual do grupo. A transação chega a Portugal e engloba a fábrica de pás para aerogeradores onshore que está instalada em Vagos (Aveiro).

“Os ativos de serviço europeus da Senvion vão reforçar a capacidade e o potencial da Siemens Gamesa num importante segmento. A aquisição de uma frota de serviço de 8,9 GW da Senvion vai dar à Siemens Gamesa um total de cerca de 69 GW sob gestão. A compra destes ativos ajuda a Siemens Gamesa a diversificar o portefólio de negócios e a exposição geográfica”, refere a empresa alemã num comunicado.

A empresa faz menção específica à fábrica adquirida no distrito de Aveiro, considerando-a “uma das instalações fabris mais competitivas da Europa”. No caso concreto, a “guerra comercial” entre os EUA e a China foi um fator de peso na decisão de integrar no negócio esta unidade fabril de pás para aerogeradores: “A fábrica de Vagos vai ajudar a reforçar a cadeia industrial de valor da Siemens Gamesa e reduzir a dependência de fornecedores na Ásia, mitigando a volatilidade face às incertezas trazidas pelos atuais problemas comerciais”, reconhece o grupo.

Segundo o comunicado, esta transação vai levar a que 2.000 funcionários da Senvion passem agora para a Siemens Gamesa. Para a operação se concretizar, falta ainda a aprovação dos reguladores, sendo que a Siemens está a contar com a conclusão até ao final do primeiro trimestre de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siemens compra fábrica de pás de aerogeradores em Aveiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião