Pedro Sánchez visita Barcelona e critica Quim Torra

  • Lusa
  • 21 Outubro 2019

Sánchez, que deve visitar os agentes feridos nos confrontos com manifestantes em Barcelona, vai reunir-se com as forças e corpos de segurança do Estado responsáveis pela segurança na Catalunha.

O presidente do governo espanhol, em funções, Pedro Sánchez, desloca-se hoje a Barcelona, após ter criticado o presidente do governo regional da Catalunha por não ter condenado com firmeza os atos de violência dos últimos dias.

“Condenar a violência de forma veemente, amparar as forças de segurança que a combatem e evitar a discórdia civil”, escreve o chefe do Executivo espanhol numa carta enviada a Quim Torra em que refere que o presidente do governo autónomo tem a obrigação de se posicionar contra os atos violentos dos manifestantes.

A carta enviada hoje a Torra é a resposta do governo espanhol à missiva do presidente da Generalitat enviada no sábado ao primeiro-ministro.

No documento, Quim Torra negou acusações anteriores sobre falta de diálogo e recriminou o primeiro-ministro por ter pretendido, disse, “dar lições sobre condenar ou lutar contra a violência”.

“Em resposta à sua carta de 19 de outubro e às declarações públicas dos últimos dias, permito-me recordar-lhe que o primeiro dever de qualquer responsável público é velar pela segurança dos cidadãos, e dos espaços públicos e privados”, respondeu Sánchez à carta de Torra.

O chefe do Executivo espanhol diz também que o “segundo dever” de um responsável público “é preservar a convivência entre todos os que integram a sociedade civil e evitar a fratura da comunidade.

Sánchez acusa Torra de ter evitado a questão da violência em vários pontos da Catalunha, inclusivamente os acontecimentos ocorridos perto do gabinete do próprio presidente da Generalitat.

O primeiro-ministro diz ainda que Torra “virou as costas às forças e aos corpos de segurança” que protegem o público com “grande profissionalismo expondo-se a grandes riscos”

“Virou as costas e ignorou mais de metade da população catalã simplesmente porque não partilha dos seus propósitos, em vez de se comportar com o presidente de todos os catalães”, refere Sánchez.

Fontes governamentais disseram à Efe que Sánchez, que deve visitar os agentes feridos nos confrontos com manifestantes em Barcelona, vai reunir-se com as forças e corpos de segurança do Estado responsáveis pela segurança na Catalunha.

As sentenças do Tribunal Supremo aos políticos catalães no âmbito do “Processo” independentista desencadearam os protestos em vários pontos da região autónoma e que se prolongam desde a semana passada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Sánchez visita Barcelona e critica Quim Torra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião