Avanço no acordo com a China põe S&P 500 à beira de recorde

Bolsas dos EUA encerraram no verde, animadas com os resultados da Intel. Destaque para o S&P que encostou-se a máximos históricos face a progressos nas negociações entre EUA e China.

As ações norte-americanas encerraram a última sessão da semana no verde, com os investidores animados pelos resultados da Intel, mas também pelos relatos de progressos nas negociações entre os EUA e a China rumo a um acordo comercial. O S&P 500 encostou-se mesmo ao máximo histórico definido em julho.

O S&P 500 subiu 0,4%, para os 3.022,19 pontos, ficando muito próximo do nível recorde de 3.025,86 pontos registado a 26 de julho. Já o Dow Jones e o Nasdaq ganharam 0,67% e 0,55%, respetivamente, para os 26.953,79 e 8.240,88 pontos.

As ações dos EUA aceleração os ganhos marginais registados no início da sessão, depois de o escritório do Representante de Comércio dos EUA ter dito que as negociações comerciais a nível técnico com a China continuariam. O Presidente Donald Trump também deu um tom de esperança ao dizer que as negociações estão a correr “muito bem”.

Este progresso deu um fôlego adicional aos principais índices bolsistas dos EUA no fecho de uma semana marcada por resultados empresariais globalmente positivos.

Exemplo disso mesmo é a Intel. A tecnológica viu as suas ações dispararem 8%, apoiadas na divulgação de receitas e de lucros acima das estimativas de Wall Street, bem como da revisão em alta das previsões para a globalidade do ano. Outras cotadas do setor acabaram também por ser contagiadas.

O sentimento positivo em torno desses resultados acabaram por compensar os sinais negativos dados pela Amazon que antecipou receitas e lucros abaixo do esperado para um trimestre marcado pela quadra natalícia, justificando-o com a “concorrência feroz”. Os seus títulos acabaram por perder 1%.

A Amazon é uma das poucas empresas de referência a reportar maus resultados esta semana nos EUA. Isto tendo em que, entre 168 empresas do S&P 500 que até agora reportaram ganhos, mais de 80% superaram as expectativas de lucros, segundo dados da Refinitiv.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avanço no acordo com a China põe S&P 500 à beira de recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião