Costa afirma que vai manter rumo sem “ziguezagues” e lamenta se há arrependidos à esquerda

  • Lusa
  • 27 Outubro 2019

O secretário-geral socialista advertiu que "estão enganados aqueles que pensam que o PS vai andar aos ziguezagues nesta legislatura". Se há arrependidos entre os parceiros, "amigo não empata amigo".

O secretário-geral do PS afirmou que vai manter o rumo de 2015 sem “ziguezagues”, mesmo sem posições conjuntas à esquerda, e advertiu que, se há agora arrependidos ou angustiados entre os parceiros, “amigo não empata amigo”.

Este aviso foi deixado por António Costa na sua intervenção de abertura da Comissão Nacional do PS, em Santarém, num discurso em que reiterou a sua rejeição de soluções tipo “Bloco Central”, embora advertindo que não irá criar qualquer “zona tampão” face ao PSD, até porque são necessários acordos de regime no país.

“Não é pelo facto de hoje não haver posições conjuntas [com o Bloco de Esquerda, PCP e PEV] que não nos vamos bater nesta legislatura por prosseguir uma política de recuperação e valorização dos rendimentos, de valorização do trabalho e dos serviços públicos. Nós não estamos cá para voltar para trás, não estamos arrependidos, estamos aqui para seguir em frente e prosseguir o caminho que abrimos em 2015”, declarou o líder socialista.

Neste contexto, o secretário-geral socialista advertiu que “estão enganados aqueles que pensam que o PS vai andar aos ziguezagues nesta legislatura”.

Na sua perspetiva, o programa do Governo, que no sábado foi entregue na Assembleia da República, “é essencialmente” o programa eleitoral do PS. “Mas teve em conta aquilo que tivemos das conversas com o Bloco de Esquerda, com o PCP, com o PEV, Livre e PAN – e esse é o nosso compromisso com os portugueses”, afirmou.

Depois, pegou em afirmações proferidas pelo candidato à liderança do PSD, Luís Montenegro, para frisar o seguinte ponto: “É verdade seremos mesmo um Governo de continuidade da mudança iniciada em 2015, das boas políticas que permitiram bons resultados e, com posições conjuntas ou sem posições conjuntas [à esquerda], estamos cá para garantir a continuidade que os portugueses disseram nas urnas desejar ter nesta legislatura”.

" Nós não estamos cá para voltar para trás, não estamos arrependidos, estamos aqui para seguir em frete e prosseguir o caminho que abrimos em 2015.”

António Costa

Secretário-geral do PS

De acordo com António Costa, no PS “não há arrependidos” e a única coisa que conhece “é aqueles socialistas que ficaram convencido com a bondade da solução política” de 2015.

Após esta introdução, o líder socialista transmitiu uma série de recados aos parceiros da solução política da anterior legislatura, dirigindo-se especialmente ao Bloco de Esquerda, embora sem nunca citar esta força política.

“Percebo que alguns possam estar cansados de serem meramente forças de protesto, ou que tenham dúvidas ou angústias existenciais se devem estar mais próximos do poder ou mais longe das soluções de Governo, mas não me compete dar-lhes conselhos. Respeitarei qualquer das opções que sigam. Há uma coisa que gostaria de dizer: Amigo não empata amigo“, declarou, recebendo uma prolongada salva de palmas.

Para o líder socialista, enquanto essas forças políticas pensam sobre o caminho a seguir nesta legislatura, “o PS não tem dúvidas sobre o caminho iniciado em 2015”.

“A porta está aberta e também ficará aberta caso se desejem juntar a esta caminhada. Não a desejamos iniciar sozinhos, nem a desejamos prosseguir sozinhos, quem vier por bem é bem-vindo. Não impomos nada a ninguém, não fazemos ultimatos a ninguém, estamos de espírito aberto e não vamos reerguer o muro derrubado há quatro anos”, defendeu.

Mas António Costa foi ainda mais longe nesta sua série de avisos às forças à sua esquerda: “Não contem com o PS para fazer o que porventura desejaram que o PS fizesse”, afirmou, dizendo que esta linha política que segue é um caminho que definiu desde 2014, altura em que chegou à liderança do partido.

Neste ponto, o líder socialista citou mesmo o dirigente histórico socialista Manuel Alegre: “O PS já é há suficientes anos um partido de esquerda para precisar de professores que lhe digam como se governa à esquerda”.

Ou seja, segundo o líder dos socialistas, “o PS não dá aulas, mas também não as recebe, trabalhará em conjunto de igual para igual, com respeito por todos e em parceria”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa afirma que vai manter rumo sem “ziguezagues” e lamenta se há arrependidos à esquerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião