ERC dá luz verde à compra da Media Capital pela Cofina

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) "deliberou não se opor" à compra da Media Capital pela Cofina.

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) “deliberou não se opor” à compra da Media Capital pela Cofina. Este era visto como um passo determinante no negócio que vai juntar a dona do Correio da Manhã e da CMTV com a dona da TVI.

“O Conselho Regulador da ERC deliberou não se opor à operação de concentração da Cofina e Media Capital, sem prejuízo das ressalvas enunciadas na respetiva deliberação, por não se concluir que tal operação coloque em causa os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões, cuja tutela incumbe à ERC aí acautelar”, informou a entidade num comunicado. Desconhecem-se as “ressalvas” bem como o teor completo do parecer.

Apesar de a Autoridade da Concorrência (AdC) ainda ter a palavra final, a decisão da ERC deixa livre o caminho para a concretização do negócio, uma vez que, por não se tratar de uma integração vertical, não se prevê a existência de entraves à compra por parte do regulador da concorrência, como já aqui foi explicado pelo ECO.

A ERC já remeteu o parecer à AdC, o que permitirá ao dossiê retomar os trâmites nesta entidade. Ora, o ECO sabe que a AdC não tenciona abrir uma investigação aprofundada ao negócio — o que iria estender o prazo que o regulador tem para avaliar a operação –, pelo que a “luz verde” final poderá chegar nos próximos dias ou semanas.

A Cofina vai comprar a Media Capital à Prisa a um enterprise value de 255 milhões de euros e deverá, após aprovada a operação, proceder com um aumento de capital no valor de 85 milhões de euros, no qual se espera a participação do empresário Mário Ferreira e os espanhóis do Abanca.

(Notícia atualizada pela última vez às 20h47)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ERC dá luz verde à compra da Media Capital pela Cofina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião