BRANDS' ECOSEGUROS IFRS 17 – Contratos de Seguro

  • ECOseguros + EY
  • 30 Outubro 2019

Dora Leal, Manager EY, fala sobre desafios na implementação da norma ainda não fechada – IFRS 17.

Terminada a fase inicial de avaliação de impactos, as seguradoras dão agora o pontapé de saída para a fase de implementação da IFRS 17, com o desafio adicional de a norma não se encontrar ainda totalmente fechada pelo IASB.

O International Accounting Standards Board (IASB) emitiu em junho de 2019 um Exposure Draft propondo alterações direcionadas a oito áreas da IFRS 17 em resposta a preocupações e desafios de implementação levantados pelos diversos stakeholders. A EY sintetiza as principais propostas de alteração na “Insurance Accounting Alert” de junho de 2019.

Durante o período de consulta pública, que terminou no passado dia 25 de setembro, muitos foram os stakeholders que enviaram os seus comentários e pontos de vista ao IASB. Genericamente, as propostas de alteração foram positivamente apreciadas pelos participantes, continuando alguns temas mais críticos a ser destacados por alguns players, como é o exemplo do tratamento do resseguro e a necessidade de agregação ao nível de cohorts.

De destacar igualmente a opinião do EFRAG, manifestando o desejo de um adiamento da data efetiva da aplicação da norma por mais um ano (passando assim aquela data para 1 de janeiro de 2023) por forma a possibilitar a existência do tempo necessário para o endosso da mesma.

Como próximos passos, antecipa-se que o IASB apresente um plano de deliberação da norma em novembro e que até ao final do ano se conheça a decisão final sobre a data efetiva de aplicação. Em meados de 2020 as alterações à norma deverão ser formalmente emitidas, sendo expectável o endosso da norma pelo European Financial Reporting Advisory Group (EFRAG) no final de 2021.

Paralelamente, a nível local, as seguradoras aguardam orientações do Regulador português sobre a implementação da norma, antecipando-se uma possível emissão de um novo plano de contas aplicável às empresas de seguros, a realização de questionários qualitativos e a realização de estudos de impacto quantitativo.

A acontecer o eventual novo adiamento da norma, é nossa visão que as empresas de seguros não devem, no entanto, tirar o pé do acelerador. Efetivamente, este tempo adicional pode vir a possibilitar uma execução adequada das diferentes fases que compõem um processo de implementação e que é crucial para o sucesso na transição. Em particular, poderá assim existir mais tempo para realizar execuções paralelas entre o futuro e o atual regime contabilístico e ajustar algumas opções tomadas em fases anteriores.

Além do desafio regulamentar, é importante ter presente que não existem soluções de implementação da norma “one size fits all”, sendo necessário combinar os fluxos de dados do negócio com os sistemas e processos, requerendo analistas especializados na definição e suporte no processo de implementação.

A EY Portugal irá promover um IFRS 17 Executive Breakfast para partilha de experiências e de lições aprendidas em projetos de implementação, bem como apresentar algumas soluções já desenvolvidas e testadas com os nossos clientes que permitem acelerar e potenciar esta jornada!

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IFRS 17 – Contratos de Seguro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião