Boris Johnson pode dar novo impulso à libra, mas “espera está a matar a economia do Reino Unido”

A moeda britânica está barata devido à pressão do Brexit nos últimos três anos. Novo adiamento da data alivia e a expectativa é que Johnson consiga dar impulso, mas há dúvidas sobre novo Parlamento.

O pior cenário possível — de um hard Brexit — parece afastado, aliviando a tensão vivida pela libra esterlina há três anos. Com a data do divórcio entre Reino Unido e União Europeia (UE) adiada até 31 de janeiro, o futuro da moeda britânica será determinado nas eleições antecipadas e no desenho do próximo Parlamento.

O primeiro Brexit Day marcado foi 29 de março. Seguiu-se 12 de abril e, depois, passou para quinta-feira, 31 de outubro. Esta data também caiu e, três adiamentos depois, o limite acordado é agora até 31 de janeiro de 2020. “A extensão do prazo e a perspetiva de eleições parlamentares, que tornem possível o apoio necessário para que se alcance um desenlace, criam um novo momento de pausa, com os mercados a adotarem uma postura de expectativa“, explica Ricardo Evangelista, senior trader da ActivTrades.

“Muitos investidores reagiram à incerteza quanto ao desfecho do Brexit voltando as costas à libra, justificando assim as perdas sofridas cada vez que surgia no horizonte a possibilidade de um Brexit sem acordo, para o qual os mercados olham como sendo o pior desfecho possível para o processo. No último mês, a moeda britânica ganhou mais suporte nos mercados, atingindo máximos de cinco meses porque a probabilidade de uma saída sem acordo é agora menor”, aponta.

Os últimos três anos, desde o referendo do Brexit em junho de 2016, têm sido uma roda-viva para a libra, enquanto o shortselling disparou. O hard Brexit, ou seja saída sem qualquer acordo, era visto como o pior cenário para a moeda, pelo que de cada vez que a hipótese ganhava forma, a libra afundava. Por outro lado, quando o cenário se torna menos provável, a libra avança, beneficiando do sentimento mais positivo em relação ao futuro da economia britânica.

A libra está atualmente subvalorizada em 25%, segundo a estimativa Allianz Global Investors (GI). “O Reino Unido é um sítio muito interessante para investir neste momento, mas têm de se estar disposto a lidar com a volatilidade política”, sublinhou Neil Dwane, estratega global da gestora de ativos.

Libra ao sabor das negociações do Brexit

Fonte: Reuters

O Parlamento britânico aprovou esta terça-feira a marcação de eleições antecipadas no Reino Unido para o dia 12 de dezembro, depois de o primeiro-ministro Boris Johnson ter retirado de votação o acordo que tinha sido alcançado em Bruxelas. O trabalhista Jeremy Corbyn vai agora defrontar o conservador Johnson.

“Segundo as mais recentes sondagens, os Conservadores têm uma vantagem saudável contra os Trabalhistas e é esperado que vençam as eleições com uma maioria razoável. Isto poderá, claro, mudar ao longo da campanha, como a anterior primeira-ministra Theresa May descobriu em 2017“, afirmou Azad Zangana, economista e estratega sénior para a Europa da Schroders.

A vitória de Johnson poderá dar impulso à libra, devido à expectativa de que consiga avançar com um plano de saída, sendo que a ActiveTrades estima que a moeda volte a atingir 1,40 dólares.

A maior ameaça é o partido do Brexit. Liderado por Nigel Farage, quer que o Brexit aconteça o mais depressa possível e sem acordo“, alerta, no entanto, Zangana. Já Dwane considera que “o pior cenário seria um Parlamento semelhante ao que temos agora” que continue o impasse e resulte em novos adiamentos do divórcio porque “a espera está a matar a economia do Reino Unido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson pode dar novo impulso à libra, mas “espera está a matar a economia do Reino Unido”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião