Edição de 2020 do Fórum Iberoamerica vai decorrer em Portugal

  • Lusa
  • 2 Novembro 2019

A próxima edição do Fórum Iberoamerica irá realizar-se em Portugal, sendo “praticamente certo” que o encontro de 2020 decorrerá no Porto, disse à Lusa o eurodeputado Paulo Rangel.

“É certo que será em Portugal, é praticamente certo que o plenário decorrerá no Porto”, afirmou Paulo Rangel, que está em Bogotá, na Colômbia, para participar na XX edição do Fórum Iberoamerica.

O Fórum Iberoamerica foi criado em 2000 e junta, em reuniões anuais, antigos chefes de Estado e de Governo, bem como empresários, políticos, investigadores e representantes de meios de comunicação social de países da América Latina, Portugal, Espanha e Andorra, para promover a reflexão sobre desafios comuns.

Segundo o eurodeputado do Partido Popular Europeu, os temas da edição do próximo ano do Fórum Iberoamerica serão definidos posteriormente.

A edição deste ano, que teve como temas centrais o Desenvolvimento e a Educação, termina hoje em Bogotá e reuniu desde sexta-feira participantes em oito painéis, sobre assuntos que foram desde a energia à cultura, passando pela economia e ambiente.

A comitiva portuguesa que se deslocou a Bogotá foi liderada por Artur Santos Silva, ex-presidente do Conselho de Administração do BPI, e contou com dois palestrantes: Paulo Rangel e Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Técnico.

Arlindo Oliveira abordou a questão das migrações e dos refugiados, levando para a reflexão a vertente do impacto das tecnologias digitais, numa altura em que muita da população migrante recorre a ‘smartphones’ como instrumentos de sobrevivência.

Paulo Rangel falou no painel intitulado “Governabilidade e populismos”, procurando pontos de contacto entre os fenómenos populistas que vigoraram na América Latina, nas décadas de 1960 e 1970, e os movimentos que hoje suportam figuras como o ex-ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, ou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

No Fórum, nas reflexões feitas nos oito painéis, juntaram-se figuras como o prémio Nobel da Física Johannes Geore Bednorz ou o prémio Nobel da Paz Muhammad Yunnus.

Na comitiva portuguesa seguiram ainda Ana Pinho, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, Diogo Salvi, CEO da empresa de tecnologias de informação Timwetech, e Rui Vieira Nery, diretor do Programa Gulbenkian Cultura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Edição de 2020 do Fórum Iberoamerica vai decorrer em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião