Santander compra maioria da fintech Ebury por 400 milhões de euros

Negócio implica aumento de capital de 80 milhões de euros para financiar expansão da Ebury na América do Sul e Ásia. Banco espera retorno do investimento superior a 25% em cinco anos.

O Santander comprou a fintech especializada em câmbio Ebury. No negócio, divulgado esta segunda-feira, o banco pagou 350 milhões de libras esterlinas (cerca de 400 milhões de euros) para controlar 50,1% da empresa britânica. O Santander refere que o investimento tem como objetivo reforçar a oferta a pequenas e médias empresas (PME).

“O investimento, que faz parte da estratégia digital do Santander para acelerar o crescimento através de novos empreendimentos, irá reforçar os seus serviços de comércio global e continuará consolidando a posição do Santander como banco preferencial para PME que já têm ou aspiram a ter relações comerciais a nível internacionalmente nos seus mercados na Europa e nas Américas, bem como posteriormente na Ásia”, anunciou o banco em comunicado.

Do total de investimento, 70 milhões de libras (80 milhões de euros) servirão para um aumento de capital através de novas ações primárias, para financiar a expansão da Ebury para novos mercados na América Latina e Ásia. O banco espera um retorno superior a 25% do capital investido em 2024.

Com sede no Reino Unido, a Ebury opera atualmente em 19 países e 140 moedas, sendo que tem crescido 40% ao ano nos últimos três anos. “A parceria fará com que a Ebury possa aperfeiçoar a sua proposta de valor com o suporte de uma instituição financeira líder”, acrescentou o Santander.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander compra maioria da fintech Ebury por 400 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião