Seguros e crédito dominam fintech. Maiores empresas em Portugal financiaram-se em 210 milhões

A chegada a Portugal dos grandes players internacionais Revolut e Monese ajudou a dinamizar o ecossistema. Só nos primeiros três meses de 2019, o capital de risco captado subiu mais de 200%.

O universo das fintech está cada vez mais em Portugal. São já mais de 100 empresas, num setor que ficou nos últimos meses marcado pela chegada de dois grandes players internacionais: a Revolut e a Monese, que estabeleceram operação em Portugal. Os segmentos dos seguros e do crédito dominam, segundo revela o Portugal Fintech Report 2019.

“O ecossistema português está a mover-se a um ritmo acelerado. As soluções disruptivas criadas por portugueses estão a captar o interesse de parceiros e investidores à medida de que Portugal se torna uma referência como hub fintech“, aponta o relatório, apresentado esta quarta-feira em Lisboa.

As empresas do Top 30 (escolhidas com base numa série de indicadores como funcionários, investimento ou receitas), 17% são insurtech (seguradoras), enquanto outras 17% são do setor de empréstimos e crédito. Além dos dois segmentos que lideram o ecossistema, há ainda empresas de pagamentos, finanças pessoais, infraestruturas financeiras ou blockchain.

“Dezasseis das empresas do top 30 foram fundadas nos últimos três anos. As insurtech e as de lending and credit são os segmentos mais populares”, explica o relatório, que aponta para “mais de 210 milhões de euros captados junto de venture capital nacional e internacional“.

Fintech do top 30 em Portugal

Neste top, apenas nove empresas conseguiram mais de dois milhões de euros de financiamento. Apesar de o relatório não especificar os nomes das empresas, refere que é no setor de regtech (gestão de processos regulatórios) e cibersegurança que foi levantado o maior montante, seguindo-se o segmento de blockchain e cripto.

A atividade de Venture Capital disparou em Portugal, com 21 operações registadas apenas entre janeiro e março. O montante fechado de 85 milhões de euros representa um aumento de 203% face ao mesmo período do ano passado, com os investidores a identificarem o talento como o principal ponto positivo das fintech em Portugal.

Supervisores fazem balanço positivo da aposta nas fintech

A par do retrato do setor no relatório em questão, a Portugal Fintech é também um dos parceiros do hub de inovação Portugal FinLab, em conjunto com os reguladores financeiros Banco de Portugal (BdP), Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

Em duas edições do programa, que pretende promover a comunicação entre empreendedores e reguladores, houve 40 candidaturas (30% de projetos internacionais) e 10 finalistas. Por um lado, os supervisores ajudam as fintech a navegarem o sistema regulatório. Por outro, as três entidades também têm ganhos, numa altura em que se tentam adaptar à inovação da tecnologia financeira.

Criada através da coordenação das três autoridades financeiras competentes em Portugal, em conjunto com a Portugal Fintech, o Portugal FinLab é a plataforma muito dinâmica, que provou que é possível melhorar o envolvimento e preservar os benefícios da inovação financeira, enquanto se mitigam os sérios riscos potenciais.

Filomena Oliveira

Ex-vice-presidente da CMVM

“Após a crise financeira, a perceção da inovação como um dos maiores contributos para o desenvolvimento financeiro e crescimento do bem-estar foi desafiado e os riscos e benefícios para a sociedade questionados”, afirmou Filomena Oliveira, ex-vice-presidente da CMVM. A plataforma Portugal FinLab “provou que é possível melhorar o envolvimento e preservar os benefícios da inovação financeira, enquanto se mitigam os sérios riscos potenciais”, considerou.

Já o administrador do BdP Hélder Rosalino acrescentou que “a primeira edição do Portugal FinLab tem o mérito de dar aos reguladores conhecimento específico de novas tecnologias a serem usadas nos serviços financeiros, novos serviços lançados para servir as necessidades dos clientes, novos modelos de negócio para um serviço existente, etc.”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros e crédito dominam fintech. Maiores empresas em Portugal financiaram-se em 210 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião