Banco de Portugal vai fazer uma inspeção geral às fintech

  • ECO
  • 29 Março 2019

O objetivo é verificar se as entidades cumprem os requisitos regulatórios em aspetos como a segurança, a agregação de informação ou a proteção de dados de pagamentos sensíveis.

O Banco de Portugal vai passar a pente fino as fintech a operar em Portugal. A entidade liderada por Carlos Costa vai avançar com uma inspeção-geral às entidades deste setor, avança o Jornal Económico (acesso pago), que explica que o objetivo é verificar se cumprem os requisitos regulatórios em aspetos como a segurança, a agregação de informação ou a proteção de dados de pagamentos sensíveis.

O alvo desta inspeção serão a totalidade das instituições gestoras de pagamentos (13) e de moeda eletrónica (uma). Com a entrada em vigor da diretiva dos Serviços de Pagamento e da Moeda Eletrónica (PSD2) essas entidades tiveram que renovar os seus registos no supervisor. A inspeção que o Banco de Portugal vai levar a cabo vai inserir-se neste âmbito.

Serão assim abrangidas tanto as novas como as antigas fintech, incluindo assim empresas estabelecidas há décadas como a SIBS ou a Unicâmbio e novos operadores como a EasyPay, IfThenPay ou a Raize.

Esta inspeção avança depois de Carlos Costa ter dito, ainda no final de 2017, que “a nova arquitetura e os novos modelos de negócio seguidos pelos prestadores de serviços de pagamentos obrigam a uma resposta multidisciplinar dos bancos centrais e reguladores, exigem novas abordagens, recursos e competências, de forma a maximizar as oportunidades e a minimizar os riscos para a sociedade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal vai fazer uma inspeção geral às fintech

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião