Haver “bancos tradicionais a valerem menos que algumas fintechs dá ideia de novas fontes de risco”

Governador do Banco de Portugal diz que a Zona Euro tem hoje em dia mais equipamentos para enfrentar crises no sistema financeiro, mas vê alguns elementos perturbadores no horizonte, com as fintech.

Carlos Costa defende que a Zona Euro está mais bem equipada para dar resposta a crises futuras no sistema financeiro, mas diz que há “alguns” elementos de perturbadores começam a “perfilar-se no horizonte”, tal como o crescimento das fintech e da digitalização da economia.

“Apesar de ser sempre difícil antecipar de onde vão surgir novos elementos de perturbação da estabilidade, alguns começam a perfilar-se no horizonte, seja no shadow banking, nas áreas do branqueamento de capitais, ou no mundo ainda desregulado das fintechs e do desenvolvimento digital”, disse o governador do Banco de Portugal na conferência sobre os “4 anos de Mecanismo Único de Supervisão: lições e desafios”.

“O facto de alguns grandes bancos tradicionais, sujeitos a regulação intensa, valerem hoje menos em bolsa do que algumas fintechs dá uma ideia das novas potenciais fontes de risco”, destacou.

Mas o digital não é o único desafio imediato para os supervisores, acrescentou Carlos Costa. Falou do elevado nível de crédito malparado no sistema financeiro, mas o governador do Banco de Portugal sublinhou sobretudo o movimento de concentração no mercado financeiro na Europa, com cada vez mais fusões e aquisições entre os bancos, o que “comporta riscos que não podemos ignorar”.

“A concomitante aceleração de movimentos de concentração bancária transfronteiriça será neste contexto uma realidade a prazo. Esse processo de concentração será tão mais rápido quanto menos preparados estiverem os bancos para concorrer no espaço europeu”, disse, repetindo a ideia de que os bancos nacionais têm de ganhar escala e rentabilidade para enfrentar outras instituições financeiros internacionais.

Neste ponto, adiantou que “importará avaliar quais as necessidades de investimento e onde apostar para concorrer num mercado em que a delimitação da fronteira nacional é cada vez menos relevante, tendo como pano de fundo a discussão sobre a localização dos centros de decisão”.

No discurso de abertura da conferência sobre os quatro anos do Mecanismo Único de Supervisão, Carlos Costa disse que é fundamental que se crie “no prazo mais curto possível” um mecanismo europeu de garantia de depósitos e uma backstop para o Fundo Único de Resolução (FUR).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Haver “bancos tradicionais a valerem menos que algumas fintechs dá ideia de novas fontes de risco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião