Donald Trump quer aumentar tarifas sobre bens chineses. Wall Street em queda

Sessão de quedas em Wall Street depois de Donald Trump afirmar que espera aumentar em 25% as tarifas aplicadas a produtos importados da China.

As bolsas norte-americanas estão em queda, reflexo das últimas declarações de Donald Trump, que falou em avançar com mais tarifas sobre produtos chineses. Depois de uma sessão positiva devido ao recorde nas compras feitas durante a Cyber Monday, os investidores estão agora desanimados e menos confiantes de que a próxima reunião do G20 possa resolver a atual onda de tensões comerciais no mundo.

Nenhum dos três principais índices escapa a este cenário negativo, consequência das declarações do presidente norte-americano. O índice de referência S&P 500 abriu a cair 0,39% para 2.663,06 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq que desvaloriza 0,53% para 7.044,11 pontos. Já o industrial Dow Jones iniciou esta sessão a recuar 0,42% para 24.536,61 pontos.

No final da tarde desta segunda-feira, antes da reunião entre os Estados Unidos e a China que deverá marcar um acordo alcançado entre os dois países, Donald Trump disse, em entrevista ao The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês), que espera aumentar em 25% as tarifas de 200 mil milhões de dólares aplicadas sobre produtos importados da China. Para o republicano, aceder ao pedido da China e adiar esse aumento é “altamente improvável”.

“O mercado continua frágil e, por causa disso, sempre que as tarifas voltam a ser faladas, é preocupante”, diz Peter Cardillo, economista-chefe da Spartan Capital Secutiries, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

Com estas declarações do presidente norte-americano, reduzem-se as esperanças dos investidores de que a próxima reunião do G20 — que decorre a 30 de novembro e 1 de dezembro –, possa resolver este conflito comercial entre os dois países. “Os investidores estão a procurar notícias positivas do G20, mas até que haja um anúncio concreto sobre as tarifas, vão continuar nervosos”, continuou Cardillo.

Em consequência deste possível aumento de tarifas, foram várias as cotadas que caíram em bolsa. Uma delas foi a Apple que está a desvalorizar 1,26% para 172,31 dólares, também porque Donald Trump afirmou mesmo que estas tarifas podem ser aplicadas em computadores e iPhones importados da China.

Outras empresas dos FAANG, incluindo fabricantes de chips com grande presença em território chinês também foram prejudicadas. A Applied Materials Inc está a cair 0,9%, a Micron Technology Inc está a recuar 0,44% e a Nvidia Corp segue a perder 1,11%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Trump quer aumentar tarifas sobre bens chineses. Wall Street em queda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião