Apple e petróleo colocam Wall Street a perder este ano

Bolsas americanas continuaram sob intensa pressão vendedora esta terça-feira. O índice S&P 500 acumula a partir de agora perdas desde o início do ano. A culpa: da Apple e do petróleo.

À pressão em torno das ações da Apple, que entraram em bear market, juntou-se o sell off no mercado petrolífero, com o barril de “ouro negro” a tombar mais de 6%, castigando todo o setor energético em Wall Street na sessão desta terça-feira.

Tudo apontava para uma semana um pouco mais tranquila do que aquela que se vive atualmente nos principais índices bolsistas americanos, sobretudo por causa do Dia de Ação de Graças que se celebra esta quinta-feira e que vai fechar os mercados na quinta-feira e encurtar a sessão na sexta. Mas não.

Primeiro foi a Apple. A tecnológica está no olho do furacão com as perspetivas menos otimistas para aquilo que vão ser as suas vendas de iPhone neste período natalício. Por causa disso, as ações caíram hoje 4,78% para 176,98 dólares, mantendo a tendência de queda nas últimas sessões. A revisão em baixa das projeções e a diminuição das encomendas dos novos iPhone levaram a cotada a entrar em bear market esta segunda-feira. A quebra foi acentuada esta terça-feira pelo corte no preço-alvo dos títulos pela Goldman Sachs, pela segunda vez este mês. O banco de investimento baixou o preço-alvo das ações da Apple para 182 dólares, o que representa um potencial de valorização de quase 3% face ao preço de fecho.

A Apple não foi a única tecnológica a ser penalizada e, entre as FAANG, todas as empresas já atingiram o ponto de correção, com uma perda superior a 20% desde os últimos máximos. Esta terça-feira, enquanto Facebook e Alphabet (empresa-mãe da Google) valorizam em torno de 0,6%, a Amazon e a Netflix recuaram 1,25% e 1,45%, respetivamente.

Depois foi o petróleo. Tanto o barril de Brent como o barril de crude perderam hoje quase 7%, com os receios de que há excesso de oferta no mercado e nem os cortes que a OPEP está a planear tão cedo deverão corrigir este cenário. O impacto da desvalorização dos preços do “ouro negro” fez-se sentir no índice de energia do S&P, que caiu cerca de 3%.

Foi neste cenário que as três principais praças encerraram no vermelho. Para o S&P 500, o índice de referência mundial, a queda de 1,95% para 2.638,03 pontos significa que já apresenta um saldo negativo desde o início do ano. Enquanto isso, o industrial Dow Jones e o tecnológico Nasdaq cederam 2,2% e 1,85%.

“Apesar de termos tido uma boa temporada de resultados, os investidores estão a olhar para o próximo ano e estão preocupados com o abrandamento da economia”, disse Mark Kepner, da Themis Trading, citado pela Reuters. “Estamos numa situação em que se vende primeiro e se pergunta depois”, acrescentou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple e petróleo colocam Wall Street a perder este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião