Vem aí concorrência para a Nutella. Marca italiana Barilla prepara creme de barrar

O creme de chocolate de barrar que a Barilla está a preparar não vai utilizar óleo de palma na produção, ingrediente presente na Nutella que esteve no centro de algumas polémicas.

Na hora de escolher o lanche, a mente de muitos vai parar ao creme de barrar da Nutella. O produto criado pela Ferrero domina o mercado dos cremes de chocolate, mas pode enfrentar competição forte a partir do próximo ano, da marca italiana mais conhecida pelas massas, Barilla.

Apesar dos pacotes azuis de esparguete e outros tipos de massa serem a referência mais conhecida dos portugueses, a Barilla produz também biscoitos e snacks de chocolate. O produto que a empresa italiana está a preparar deverá chamar-se Crema Pan di Stelle, nome que deriva já de umas bolachas da marca, avança a Reuters (acesso livre/conteúdo em inglês).

A Nutella tem a maior fatia do mercado dos cremes de chocolate para barrar, com 52% do consumo global, e regista vendas anuais de mais de dois mil milhões de euros. Mas esteve envolvida em polémicas em 2016, pelo uso de óleo de palma, que se for refinado a temperaturas demasiado altas gera uma substância cancerígena. Apesar de garantir a qualidade e segurança do produto, o caso afastou alguns consumidores.

Na altura, a Barilla foi uma das marcas que anunciou o boicote a este tipo de óleo, e o creme que irá lançar não recorre ao ingrediente, mas sim a óleo de girassol. Desta forma, pode atingir uma das fragilidades da Nutella. O creme pode chegar às prateleiras dos supermercados italianos já em janeiro, segundo indicam fontes da empresa à Reuters.

Este passo da Barilla chega depois de rumores de que podem chegar no próximo ano bolachas recheadas de Nutella, um produto que faria concorrência direta às bolachas da marca italiana. O novo Crema Pan di Stelle deve ter pedaços das bolachas que lhe dão nome, conferindo um elemento crocante que não está presente no creme da Ferrero.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí concorrência para a Nutella. Marca italiana Barilla prepara creme de barrar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião