Maior cadeia de supermercados americana diz adeus aos sacos de plástico

A medida faz parte da campanha "Fome Zero | Desperdício Zero" e prevê que em 2025 já não sejam utilizados sacos de plástico descartáveis nas lojas Kroger.

Kroger Co., a maior cadeia de supermercados dos Estados Unidos da América (EUA), já começou a eliminar o uso de sacos de plástico de uma só utilização nas suas lojas, anunciou a empresa esta sexta-feira em comunicado.

Para cumprir o objetivo final definido para 2025, o Kroger já retirou os sacos de plástico das suas lojas em Seattle e dos arredores. As medidas, que fazem parte da campanha “Fome Zero | Desperdício Zero”, têm como objetivo o fim dos sacos de plástico. Em 2025, os mais de 2.800 supermercados Kroger espalhados pelo país deverão já ter deixado completamente de usar sacos de plástico.

Em alternativa, será feita uma “transição para sacos reutilizáveis”, explicou Rodney McMullen, presidente do Kroger. “É um movimento audaz que visa proteger o nosso planeta para as futuras gerações”, acrescentou. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, todos os anos são usados mais de 380 biliões de sacos de plástico nos EUA. Desses 380 biliões, estima-se que 100 biliões sejam descartados anualmente e que menos de 5% sejam reciclados.

“Os sacos de plásticos descartáveis são o quinto produto de plástico mais utilizado no território americano”, escreveu o presidente do Kroger no comunicado. A cadeia de supermercados encomenda, anualmente, cerca de 6 mil milhões de sacos para as suas lojas nos 35 estados e em Washington, D.C.

A partir de agora, os clientes deste estabelecimento comercial poderão comprar os seus sacos reutilizáveis nas lojas por 1 ou 2 dólares. No entanto, os sacos e papel reciclado continuarão a estar disponíveis gratuitamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior cadeia de supermercados americana diz adeus aos sacos de plástico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião