Deloitte corrige contas de Ricciardi no Haitong

  • ECO
  • 24 Agosto 2018

Cinco meses depois de ter tomado o lugar da KPMG, a Deloitte decidiu reabriu as contas de 2015 do Haitong para "corrigir erros" contabilísticos.

A Deloitte reabriu as contas de 2015 do Haitong (aprovadas pela KPMG) para “corrigir erros” contabilísticos, adianta o Jornal de Negócios (acesso pago). No relatório, explica-se que foram agora reconhecidas imparidades que a anterior administração — liderada por José Maria Ricciardi — não tinha inscrito, o que fez quase triplicar os prejuízos registados pelo banco nesse ano. O candidato à presidência leonina salienta que esta mudança se deve à alteração do modelo de negócio da nova gestão. Por sua vez, o conselho fiscal já elogiou a “regularização”

De acordo com as contas de 2015 divulgadas durante a administração de Ricciardi, o banco tinha visto os seus prejuízos baixarem de 138,5 para 35,4 milhões de euros. Nos resultados corrigidos, os prejuízos registados sobem, contudo, para 98,3 milhões de euros, ou seja, quase o triplo do valor anterior. A diferença está nas imparidades reconhecidas: passaram de 38,9 para 104,3 milhões de euros.

A alteração mais relevante diz respeito a uma imparidade de 54 milhões de euros que “decorre do facto de aquando da aquisição do Haitong Bank pela Haitong Securities ter originado uma alteração do modelo de negócio, que estava subjacente ao apuramento do goodwill inicial”, indica o relatório. O goodwill designa a diferença positiva entre o preço de aquisição de uma participada e os seus capitais próprios.

Além desta alteração nos resultados líquidos, as novas contas fazem mudar também os capitais próprios, recuando 70 milhões para 360,8 milhões de euros.

“Uma vez que os pressupostos de negócio se alteraram com os chineses a quererem fechar Londres, a Deloitte entendeu que não havia mais goodwill pelo que deveria registar imparidade a 100%, e a forma que encontraram foi de dizer que era um erro para levar a resultados transitados e não afectar as contas de 2017 que já seriam de Hiroki Miyazato e Christian Minzolini”, explica ao jornal José Maria Ricciardi. Já a KPMG preferiu não comentar a auditoria em causa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deloitte corrige contas de Ricciardi no Haitong

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião