CGD “partilha” lucros com trabalhadores em plena guerra laboral

  • ECO
  • 24 Agosto 2018

No próximo mês, os trabalhadores da CGD que tenham sido avaliados positivamente vão receber prémios que variam entre os 500 e os 3.00 euros. Trata-se da "partilha" de lucros.

No mês em que arrancam as negociações com os sindicatos sobre o Acordo de Empresa, a Caixa Geral de Depósitos vai atribuir prémios aos trabalhadores que forem avaliados positivamente, avança o Público (acesso condicionado). Os funcionários que progridam por mérito, este ano, vão ainda receber outras contrapartidas. O banco público justifica esta distribuição de prémios com a figura da “partilha” dos lucros alcançados em 2017 e no primeiro semestre de 2018.

Segundo apurou o jornal, os bónus vão variar entre 500 e três mil euros. O valor do prémio a ser atribuído a cada trabalhado vai depender da sua avaliação e da concretização dos objetivos de equipa, bem como do seu salário base. Quanto às progressões anuais por mérito, as novas remunerações decorrentes desse processo serão pagas com retroativos a janeiro. Isto apesar de ter sido anunciado aos sindicatos, numa primeira fase, que só recuariam até agosto.

“A Comissão Executiva deliberou atribuir aos colaboradores do grupo um prémio de desempenho que reconheça aqueles colaboradores que se destacaram pelas suas competências, empenho e contributo para os resultados“, explica o banco de Paulo Macedo ao Público.

Esta “partilha” de lucros chega numa altura em que o banco vive tensões laborais significativas. Esta sexta-feira, os trabalhadores estão mesmo em greve em protesto contra a denúncia do Acordo Empresa. A paralisação deverá implicar o não funcionamento de muitos balcões em todo o país, mas a administração da CGD desvaloriza o impacto.

A equipa liderada por Paulo Macedo quer um novo acordo que se aproxime mais do que está em vigor nos demais bancos, através de um acordo coletivo de trabalho do setor — proposta que os trabalhadores têm contestado, por não quererem perder direitos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD “partilha” lucros com trabalhadores em plena guerra laboral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião