Hoje nas notícias: Cristina, reformas e CGD

  • ECO
  • 24 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Cristina Ferreira vai passar de colega de Manuel Luís Goucha a sua concorrente direta. Mais, os seus rendimentos vão estar condicionados pela sua capacidade de vencer essa batalha de audiências. Por falar em prémios, a CGD vai distribuir contrapartidas pelos seus trabalhadores. Ainda nesse setor, a Deloitte corrigiu as contas de 2015 do Haitong. Na educação, a Universidade Europeia pode ter os dias contados e já passam de 15 mil os pedidos de reforma antecipada dos trabalhadores com carreiras muito longas.

CGD distribui prémios em plena guerra laboral

No mês em que arrancam as negociações com os sindicatos para mudar o acordo de empresa, a Caixa Geral de Depósitos vai atribuir prémios aos trabalhadores que forem avaliados positivamente. Além disso, todos os funcionários que progridam por mérito este ano receberão em simultâneo outras contrapartidas. Os prémios, que serão pagos em setembro, deverão oscilar entre os 500 e os 3.000 euros e foram justificados pelas chefias do banco público com a figura da “partilha” de lucros.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Deloitte corrige contas de Ricciardi e KPMG no Haitong

A Deloitte reabriu as contas de 2015 do banco Haitong, aprovadas pela KPMG, para reconhecer as imparidades que a anterior administração — liderada por José Maria Ricciardi — não inscreveu. No relatório, explica-se que se procedeu à “correção de erros contabilísticos”, prática que o conselho fiscal já elogiou. Ricciardi, por sua vez, salienta que a mudança se deve à alteração do modelo de negócio pela nova gestão. Importante notar que com esta correção os prejuízos passam quase para o triplo.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Cristina com prémio milionário para ganhar a Goucha

Para chegar aos 80 mil euros mensais, Cristina Ferreira vai ter de cumprir certos objetivos na SIC. Entre eles, está o de liderar as audiências contra Manuel Luís Goucha, apresentador com quem dividiu as manhãs da TVI por mais de uma década. Além deste programa, a estrela terá também um formato antes do ‘Jornal da Noite’ e assumirá as funções de consultora-executiva da direção geral de entretenimento da estação de Carnaxide.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso livre).

Carreiras longas: 15 mil já pediram reforma antecipada

No dia em que foi aprovado o decreto-lei que alarga o regime que permite aos trabalhadores com carreiras contributivas muito longas pedir a reforma antecipada, o Governo avança que, nos últimos dez meses, mais de 15 mil pedidos de funcionários nestas condições chegaram à Segurança Social. Destes, cerca de 11.500 foram aceites pelos pensionistas (o pedido só se torna efetivo depois do beneficiário confirmar a sua decisão junto do Centro Nacional de Pensões).

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso livre).

Dona da Europeia quer reduzir na Europa. Portugal está na lista

A Laureate International University, o maior grupo mundial de ensino superior, quer reduzir o número de instituições que tem espalhadas no Velho Continente. Na lista dos polos a cortar, está a portuguesa Universidade Europeia. Esta instituição de ensino foi criada em 2013 e resultou da transformação do Instituto Superior de Línguas e Administração de Lisboa em universidade.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Cristina, reformas e CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião