Assembleia de Lisboa recomenda criação de regras para as trotinetas elétricas

  • Lusa
  • 20 Novembro 2018

Foi recomendada à Câmara Municipal de Lisboa a "criação de regras e boas práticas" no que toca às trotinetas elétricas na cidade.

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou esta terça-feira uma recomendação do CDS-PP para a criação de regras e boas práticas para as trotinetas elétricas na cidade. Os dois primeiros pontos do documento foram aprovados por unanimidade, enquanto o terceiro foi aprovado com a abstenção de um deputado independente.

A recomendação ao município lisboeta, liderado pelo socialista Fernando Medina, solicita a “criação de regras e boas práticas” e a clarificação das “matérias de maior preocupação, designadamente sobre circulação e estacionamento”.

Os eleitos do CDS-PP na assembleia da capital querem que a Câmara de Lisboa “intervenha, através da Polícia Municipal, para ações de sensibilização e fiscalização sobre infrações e cumprimento das regras e legislação vigente”, já que, segundo a recomendação, “diversos relatos por toda a cidade descrevem que o estacionamento desordenado dos veículos causa perturbações na mobilidade dos peões, em especial cidadãos com dificuldades de visão ou com limitações físicas”.

O grupo municipal do CDS-PP pede ainda que, em articulação com as empresas do setor, a autarquia “procure implementar iniciativas de esclarecimento sobre os benefícios de utilização das trotinetas, bem como das responsabilidades e obrigações dos utilizadores”.

Citado num comunicado enviado às redações, o líder da bancada do CDS-PP na AML, Diogo Moura, defende que “é de saudar a utilização de trotinetas elétricas como mais um meio de transporte amigo do ambiente”, mas reforça que a câmara deve tornar “públicas as regras e boas práticas da sua utilização, evitando os perigos existentes na circulação e estacionamento em passeios”.

“Os centristas estão preocupados com o estacionamento de veículos no meio de passeios, obstruindo a passagem de peões, em particular dos invisuais ou com mobilidade reduzida, bem como os eventuais atropelamentos face à velocidade” a que as trotinetas circulam, destaca a mesma nota.

Na sessão da AML, o vereador com o pelouro da Mobilidade, Miguel Gaspar (PS), disse que em mais de 120 mil viagens realizadas nas trotinetas da empresa Lime foram reportados apenas dois acidentes.

O PAN fez três aditamentos à recomendação do CDS-PP, sendo que o primeiro e o terceiro foram aprovados por unanimidade, e o segundo com os votos contra de oito deputados independentes.

O PAN quer a câmara publicite no seu site “os 90 locais identificados como hotspots [pontos de recolha] para as trotinetas com motor”, assim como as zonas “onde se desaconselha a utilização deste modo de transporte”. Em segundo lugar, o partido recomenda “que sejam alteradas todas as localizações dos hotspots que se localizam em cima dos passeios”. Por fim, o PAN quer que sejam conhecidas “as condições de ocupação de espaço público estabelecidas” entre a câmara e a empresa fornecedora do serviço.

O MPT também tinha apresentado uma recomendação no mesmo sentido, que acabou por ser retirada pelo partido, que subscreveu o documento dos centristas.

Na sessão plenária de hoje, foi também aprovada uma recomendação do PEV para a criação de uma carreira de bairro da Carris na zona envolvente da estação de metro de Arroios e uma recomendação do PAN para que “se afetem mais meios à vigilância da natureza, designadamente, através de contratação ou requisição de recursos humanos para o cumprimento das funções de vigilante da natureza”.

Os eleitos na AML aprovaram ainda por unanimidade um voto de saudação pelos 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago e outro à seleção portuguesa de futsal para atletas com síndrome de Down, que se sagrou campeã europeia na semana passada.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Assembleia de Lisboa recomenda criação de regras para as trotinetas elétricas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião