Voi faz mira a Lisboa. Já é a terceira empresa de trotinetas elétricas na capital

A startup de trotinetas elétricas recebeu um financiamento de 50 milhões de dólares, dinheiro que será usado para chegar a mais cidades na Europa, entre elas Lisboa.

Depois da Lime e da Iomo, vai ser a vez das trotinetas elétricas da Voi invadirem as ruas da capital. A startup recebeu um investimento de 50 milhões de dólares que será usado para percorrer mais cidades da Europa. Fundada em agosto na Suécia, a Voi já está presentes em várias cidades espanholas e, com estes novos milhões, vai passar a estar disponível em Portugal, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Alemanha, Itália e Noruega.

Os 50 milhões de dólares (43,8 milhões de euros) vieram de “investidores de alto perfil”, entre eles Jeff Wilkes (Amazon), Justin Mateen (cofundador do Tinder) e Nicolas Brusson (CEO e cofundador da BlaBlaCar), refere a empresa, em comunicado.

Depois do lançamento na Suécia, as trotinetas elétricas da Voi estão atualmente presentes em Madrid, Saragoça e Málaga. Em breve devem chegar a mais cidades europeias, entre elas Lisboa. A Voi vai, assim, fazer concorrência à Lime e à Iomo, presentes na capital também com trotinetas elétricas. A adesão tem sido positiva, embora tenham havido reclamações devido aos seus estacionamentos.

“Após instalar a app, os utilizadores da Voi localizam uma trotinete na rua ou recorrem ao mapa, clicam no botão de “viajar”, leem o QR code e movem-se para qualquer parte da cidade”, explica a startup. Os preços são semelhantes aos das trotinetas da Lime: um euro pelo desbloqueio e 0,15 euros por cada minuto. Só em 12 semanas, a empresa reuniu mais de 120 mil utilizadores, que realizaram mais de 200 mil viagens, viajando 350 mil quilómetros.

Fundada por Fredrik Hjelm, Douglas Stark, Adam Jafer e Filip Lindvall, a Voi quer “reduzir o congestionamento de tráfego e a poluição”, oferecendo-se como uma “alternativa verde, eficiente, rentável e com zero emissões de CO2“. “Acreditamos que a utilização das ruas e infraestrutura das cidades para criar um negócio não pode ser feita sem a total cooperação — e apoio — das cidades em questão”, diz o CEO Fredrik Hjelm, no comunicado.

“Decidimos, por exemplo, suspender o lançamento da operação em cidades onde a regulação afirma explicitamente que não devemos operar lá, evitando situações que ocorreram em empresas concorrentes, as quais iniciaram o seu negócio e foram expulsas em 24 horas”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Voi faz mira a Lisboa. Já é a terceira empresa de trotinetas elétricas na capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião