Trotinetas da Lime mal estacionadas? Utilizadores podem ser suspensos e até multados

De visita ao Web Summit, o cofundador da Lime esteve à conversa com o ECO e explicou que os utilizadores que deixem as trotinetas mal estacionadas arriscam ver as suas contas suspensas e até multadas.

No último mês, as trotinetas da Lime invadiram as ruas e, sobretudo, os passeios lisboetas; mas desengane-se quem pense que o estacionamento destes veículos não tem regras. Em declarações ao ECO, o cofundador desta startup norte-americana explica que as condições em que podem ser deixadas as scooters elétricas foram previamente acordadas com a Câmara de Lisboa e acrescenta que quem não as cumprir poderá ser “suspenso” da app e até multado.

Caen Contee diz que estão previstas penalizações para quem estacionar mal as trotinetas da Lime.Hugo Amaral / ECO

“Temos um sistema que exige que seja tirada um foto para que a a viagem seja dada como finalizada, o que permite verificar se a scooter está estacionada corretamente ou não”, conta Caen Contee, à margem da terceira edição lisboeta do Web Summit.

De acordo com o responsável, caso o utilizador não cumpra as regras, receberá um primeiro aviso. No caso da repetição da falha, verá contudo a sua conta suspensa, podendo mesmo receber uma multa. “Quando as pessoas começam a ter de pagar por um comportamento que é facilmente mudado, passam a tomar a decisão certa e a melhorar o seu comportamento”, defende o cofundador.

Caen Contee esclarece ainda que os lugares onde se podem deixar as scooters — isto é, as áreas da cidade e o espaço do passeio que pode ser ocupado — foram negociados com a Câmara Municipal de Lisboa, ainda antes do lançamento do serviço. É por isso que, por exemplo, é proibido estacionar nas áreas históricas da cidade, como já tinha avançado o ECO no advento da chegada da Lime a Portugal.

Temos tido uma “experiência exemplar” em Lisboa

Caen Contee, cofundador da Lime, esteve na terceira edição do Web Summit.Hugo Amaral / ECO

As trotinetas da Lime chegaram às ruas da capital lusa no início de outubro, depois de terem conquistado algumas das principais capitais europeias: de Paris a Berlim, passando por Madrid.

Nessa altura, a relação desta empresa norte-americana com a Câmara Municipal de Lisboa tinha já algumas raízes. É que, antes de lançar o seu serviço por cá, a Lime fez questão, diz Contee, de discutir ponto a ponto a sua nova operação.

Um mês depois, que balanço faz o cofundador? “Esta tem sido uma das nossas melhores cidades, do ponto de vista da relação construída com o município”, responde, referindo que a experiência registada por terras lusitanas tem sido “um bom exemplo” de parceria.

Segundo Caen Contee, a Câmara de Fernando Medina mostrou-se disposta a “trabalhar lado a lado” com a Lime, ainda que tenha traçado algumas linhas vermelhas, nomeadamente ao nível da qualidade e manutenção dos veículos, da equipa que manteriam em Portugal e das áreas onde seriam disponibilizados os veículos.

Quanto aos planos de expansão em Portugal, o responsável adianta que estão a decorrer negociações com várias outras cidades lusitanas, esperando-se que “nos próximos meses” o serviço lá chegue.

Recorde-se que, em conversa com o ECO, o diretor-geral da Lime para Portugal tinha adiantado que a chegada destas scooters a Sintra, Porto, Aveiro e Braga deveria acontecer “ainda este ano”.

O futuro é multimodal

Contee chegou ao palco central do Web Summit de, claro, scooter.Hugo Amaral / ECO

Na opinião de Caen Contee, o futuro da mobilidade urbana passa pela “criação de um plataforma multimodal”. Por isso, a Lime não quer apenas oferecer um serviço de partilha de trotinetas e bicicletas, mas também ser uma solução que permita ao utilizador chegar onde quiser, independentemente do modo de transporte que escolha para lá chegar. Quer ser, em suma, uma espécie de agregador.

“A partilha vai ser um valor chave e a propriedade vai diminuir. Acho que as políticas e a regulação vão desincentivá-la”, nota o cofundador. “Vemo-nos a trabalhar lado a lado com os transportes públicos de modo a criar o sistema multimodal de que precisamos”, acrescenta.

De notar que, no painel do Web Summit sobre a regulação dos novos serviços de transportes partilhados, o vereador para a Mobilidade da Câmara de Lisboa já se tinha mostrado aberto à criação de uma plataforma desse género, isto é, que unisse os diferentes modos disponíveis, incluindo os transportes coletivos.

Comentários ({{ total }})

Trotinetas da Lime mal estacionadas? Utilizadores podem ser suspensos e até multados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião