Câmara de Lisboa aberta a soluções inovadoras de mobilidade, mas traça “linhas vermelhas”

A Câmara de Lisboa diz ter uma "política aberta" quanto às novas soluções de mobilidade urbana, mas alerta que já traçou "linhas vermelhas".

O vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa não tem dúvidas: é preciso “ter coragem” para abrir a cidade às novas soluções de mobilidade, mas também é necessário traçar “linhas vermelhas”. No terceiro dia do Web Summit, Miguel Gaspar dividiu o palco com o vice-presidente para a expansão internacional da Lime, serviço de partilha de trotinetas que chegou à capital portuguesa há pouco mais de um mês.

“Tivemos uma experiência muito boa com a Lime”, sublinhou o vereador, quanto à preparação da entrada da norte-americana no mercado português. Gaspar defendeu que é precisa uma “revolução” nos transportes urbanos, mas alertou que há dois pontos a ter em conta, em qualquer circunstância: a gestão do espaço público e a segurança.

Por isso, o responsável disse valorizar acima de tudo o “respeito” nessa relação entre partes, até porque as câmaras municipais “têm todo o poder” do seu lado. “Em Lisboa, temos uma política aberta mas com linhas vermelhas”, notou ainda.

Do lado da Lime, Caen Contee garantiu que a política da empresa é pensar em soluções adaptadas às cidades onde se instalam, isto é, trabalham em “cooperação” com os Executivos locais.

Além disso, o norte-americano salientou a necessidade de apostar em modos intermodais de transporte, nos quais, por exemplo, as trotinetas da Lime sejam apenas uma das muitas soluções disponíveis para navegar na cidade. “Precisamos de arranjar formas de complementar esses modos e não de promover a concorrência entre eles”, concordou Miguel Gaspar.

Por fim, Contee aproveitou a sua intervenção no Web Summit para confirmar que a Lime irá apostar numa frota própria de carros elétricos. Isto depois de a empresa ter conquistado o seu lugar ao sol com bicicletas e scooters elétricas. Em janeiro, as ruas europeias e norte-americanas devem, assim, receber um novo serviço de partilha de automóveis.

A Lime chegou a Lisboa no início de outubro com 200 a 400 scooters elétricas. Ao ECO, o diretor-geral da empresa para Portugal garantiu, na altura, que ainda este ano o serviço deverá chegar ao Porto, Aveiro, Braga e Sintra.

Criada em janeiro de 2017, a Lime foi uma das pioneiras no serviço de partilha de bicicletas e trotinetas elétricas. Por isso, tem conseguido chamar a atenção de nomes tão sonantes do mundo da tecnologia como o da Google e o da Uber, empresas das quais tem mesmo conseguido financiamento e apoio.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa aberta a soluções inovadoras de mobilidade, mas traça “linhas vermelhas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião