Risco de incêndio retira milhares de Lime de circulação nos EUA. Empresa faz “testes diários” em Portugal

Um defeito de fabrico na bateria das sua trotinetas elétricas levou a Lime a retirar milhares de veículos das ruas dos EUA. Inicia agora testes diários às restantes scooters, também em Portugal.

A Lime pode ter posto Lisboa a andar de trotineta, mas nem tudo está a correr sobre rodas à empresa norte-americana. Um defeito de fabrico em algumas das suas scooters elétricas levou à retirada de circulação de milhares de veículos, nos Estados Unidos, e à implementação de testes diários de diagnóstico, nos restantes mercados, incluindo no português. Além disso, está suspenso o programa de juicers.

De acordo com a Lime, em agosto, foi identificado um defeito em algumas das trotinetas que podia levar à combustão lenta das baterias e até, em alguns casos, a incêndio. Nesse contexto, a empresa, em conjunto com a Segway Ninebot (fabricante dos veículos afetados), desenvolveu um software para identificar as scooters defeituosas, que foram retiradas de circulação.

“Infelizmente, apesar dos nossos melhores esforços, recentemente recebemos uma queixa não confirmada de que outro modelo da Segway Ninebot pode também ser vulnerável a falhas na bateria. Estamos a investigar”, acrescenta, no entanto, a empresa.

Assim, ainda que se mantenha confiante na qualidade dos modelos mais recentes das suas trotinetas elétricas, a Lime decidiu tomar duas medidas para garantir a “segurança da comunidade e do público”.

Em primeiro lugar, serão iniciados testes diários de diagnóstico a todos os veículos presentes nos mercados em que a empresa opera, incluindo o português, “para monitorizar o estado da bateria e a sua eficiência”.

Em segundo lugar, a Lime decidiu suspender o programa de juicers, que permitia aos cidadãos recolher todas as noites os veículos para os carregar durante a noite. Em Portugal, a empresa já contava com mais de uma centena de juicers.

De notar que, segundo a empresa, apenas 0,01% da sua frota foi comprometida, não tendo sido “posta em risco a segurança dos utilizadores, em nenhum momento”.

A Lime chegou a Lisboa no início de outubro com 200 a 400 scooters elétricas. Ao ECO, o diretor-geral da empresa para Portugal garantiu, na altura, que ainda este ano o serviço deverá chegar ao Porto, Aveiro, Braga e Sintra.

Criada em janeiro de 2017, a Lime foi uma das pioneiras no serviço de partilha de bicicletas e trotinetas elétricas. Por isso, nos últimos meses, tem conseguido chamar a atenção de nomes tão sonantes do mundo da tecnologia como o da Google e o da Uber, empresas das quais tem mesmo conseguido financiamento e apoio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Risco de incêndio retira milhares de Lime de circulação nos EUA. Empresa faz “testes diários” em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião