Scooters elétricas vieram para ficar. Portuguesa iomo arranca em Lisboa

A empresa quer aumentar a frota para mil veículos no próximo ano, e marcar presença em mais quatro cidades portuguesas. As viagens pela capital custam em média 0,15 cêntimos por minuto. 

Se quer começar a usar scooters elétricas, a oferta em Lisboa está cada vez mais composta. A plataforma iomo chega à capital neste mês, e vai permitir circular pela cidade a 0,15 cêntimos por minuto.

O lançamento oficial do serviço está marcado para o início de outubro, com uma frota de 50 scooters, revela a empresa portuguesa em comunicado. Mas as primeiras iomo estão em circulação na capital lisboeta, na zona do Parque das Nações e no Saldanha, para serem testadas.

A aplicação da iomo mostra os pontos onde existem scooters disponíveis.iomo

As iomo apresentam-se como um “last mile transportation“, para percorrer curtas distâncias em cidades. A empresa quer chegar aos 1.000 veículos no próximo ano, e a mais quatro cidades para além de Lisboa.

Uma app de smartphone, que vai estar disponível para android e iOS, é a base do serviço. É lá que o utilizador pode ver no mapa todos os locais de “estacionamento”, para escolher e reservar a zona preferencial, num sistema que funciona, por exemplo, como as bicicletas urbanas. No fim da viagem, que tem um custo médio de 0,15 cêntimos por minuto, devolve a scooter num dos locais disponíveis.

Para conduzir estes veículos não precisa de uma licença de condução: apenas de ter mais de 18 anos. As scooters andam seis vezes mais rápido do que o passo de caminhada, sendo possível percorrer um quilómetro em cerca de três a quatro minutos, garante a iomo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Scooters elétricas vieram para ficar. Portuguesa iomo arranca em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião