Lime quer pôr Portugal a andar de trotineta. Depois de Lisboa, carrega baterias para o Porto

A Lime ainda se está preparar para trazer para Lisboa o seu serviço de trotinetas partilhadas, mas já tem debaixo de olho quatro outras cidades portuguesas: Porto, Aveiro, Braga e Sintra.

O lançamento da Lime em Lisboa ainda não tem data fechada, mas este serviço de trotinetas elétricas partilhadas já está a fazer mira a quatro outras cidades portuguesas. Em conversa com o ECO, o diretor-geral da empresa para Portugal adianta que se devem seguir o Porto, Aveiro, Braga e Sintra. Marco Pau explica que, primeiro, é preciso negociar com os municípios, mas antecipa que a expansão deverá acontecer já este ano.

“Vamos expandir o serviço a várias outras cidades ainda este ano. Temos em vista o Porto, Braga, Aveiro e Sintra”, avança o responsável, que explica que a chegada à capital justificou-se pela “grande concentração” de automóveis nessa região.

Marco Pau, diretor geral da Lime para Portugal.Lime

Antes de se aventurar no norte do país, a Lime disponibilizará, para já, 200 a 400 scooters em Lisboa, cobrando 15 cêntimos por minuto de utilização, aos quais se soma um euro inicial para “desbloquear” a trotineta.

O processo de utilização é simples. O cliente usa ao mapa apresentado na aplicação móvel para encontrar o veículo mais próximo, que, depois, “desbloqueia” ao ler com o seu smartphone o código QR nele presente.

Uma vez concluída esta etapa, o serviço tem por base um sistema free-float, no qual o utilizador pode recolher e deixar a trotineta em qualquer local do perímetro preestabelecido. No final da viagem, o cliente terá apenas de tirar uma foto ao equipamento e inseri-la na aplicação para “bloquear” novamente a trotineta elétrica.

“As nossas scooters são diferentes das já existentes na cidades. Estamos a falar de trotinetas elétricas. Não temos concorrentes neste momento”, assegura o diretor-geral. Além das da Lime, em outubro, chegam às ruas lisboetas as trotinetas elétricas da Iomo.

Proibido estacionar no centro histórico lisboeta

Centro histórico está fora dos limites para os utilizadores da Lime.Associação Turismo de Lisboa

“Uma das prioridades da Lime é construir um diálogo com os municípios”, garante Marco Pau. Daí que, nas últimas semanas, a empresa norte-americana tenha estado em negociações com a Câmara de Lisboa para definir as áreas de operação e estacionamento.

Nesse sentido, ficou assente que as “áreas históricas de Lisboa” estarão protegidas: nenhuma das 90 estações nas quais, todas as manhãs, são disponibilizadas as trotinetas estão localizadas nesta região mais central da cidade, nem se podem deixar nesta zona os veículos em causa. “Também porque nesta área há muito trânsito e poderia ser perigoso”, acrescenta Pau.

“Estamos a trabalhar com o município para saber onde deixar as trotinetas todas as manhãs. Há áreas que são protegidas, áreas históricas, em que, por exemplo, não se podem deixar as scooters“, nota o responsável.

Pagar para andar ou receber para carregar

Lime já recrutou mais de 100 juicers em Lisboa.Lime (Facebook)

Além de poder experimentar a Lime como utilizador, poderá usufruir do serviço enquanto juicer e fazer algum dinheiro. “O programa de juicers permite aos cidadãos comuns recolherem as trotinetas para as carregarem durante a noite”, avança o diretor-geral.

O serviço criado em 2017 já conta com 100 juicers em Lisboa, estimando-se um “crescimento exponencial” nos próximos meses (o recrutamento é feito através da própria aplicação móvel). “É uma forma de envolver a comunidade local”, reforça Pau.

Ao ECO, o responsável avança também que cada juicer pode ganhar com este serviço “entre cinco a dez euros”.

Criada em janeiro de 2017, a Lime foi uma das pioneiras no serviço de partilha de bicicletas e trotinetas elétricas. Por isso, nos últimos meses, tem conseguido chamar a atenção de nomes tão sonantes do mundo da tecnologia como o da Google e o da Uber, empresas das quais tem mesmo conseguido financiamento e apoio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lime quer pôr Portugal a andar de trotineta. Depois de Lisboa, carrega baterias para o Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião