Uber está a criar as suas próprias scooters

A Uber não está apenas apostar no negócio de partilha de scooters elétricas, está a tentar criar um veículo deste tipo de qualidade superior, que derrote todos os concorrentes.

Depois dos carros autónomos e dos automóveis voadores, as scooters elétricas. A Uber não está apenas a apostar no negócio de partilha deste tipo de veículos, está também a criar as suas próprias scooters. De acordo com a Bloomberg, a Jump — empresa de bicicletas elétricas que a gigante adquiriu em abril — está no comando deste projeto.

No início da semana, Dara Khosrowshahi salientou que, face ao aumento do trânsito nas cidades, os carros já não são a forma mais eficiente de mobilidade. Daí que, explicou o CEO em entrevista ao Financial Times, a Uber tenha planos para se focar cada vez mais nas bicicletas elétricas e nas scooters.

Nesse sentido, desde fevereiro que a Uber já oferece um serviço de aluguer de bicicletas elétricas em algumas cidades norte-americanas, estando previsto o seu lançamento também em Berlim. Quanto à rede de scooters partilhadas, a gigante tem firmado várias parcerias com startups dedicadas a este tipo de mobilidade alternativa — como a Lime — enquanto prepara o seu próprio serviço.

Agora, segundo as fontes ouvidas pela Bloomberg, a empresa decidiu dar um passo em frente. Nos últimos meses, a empresa tem assim investido — ainda que discretamente — na criação da sua própria scooter elétrica. Os principais desafios? Disfarçar os circuitos do veículo, de modo a que não sejam facilmente destruídos por vândalos, e reforçar a sua resistência, revela o líder do projeto.

Enquanto estes veículos não estão terminados — a sua construção ainda está numa fase inicial — a Uber pretende continuar a oferecer este tipo de serviço com recurso à Lime (empresa da qual é investidora). A longo prazo, os responsáveis consideram, contudo, que a scooter criada pela Jump será de qualidade superior e adivinham, por isso, que será capaz de derrotar todos os concorrentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber está a criar as suas próprias scooters

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião