Bruxelas lança novas medidas de apoio a agricultores devido a seca

  • Lusa
  • 30 Agosto 2018

A Comissão Europeia anunciou novas medidas de apoio aos agricultores para ajudar a minimizar as dificuldades provocadas pela vaga de seca que afetou a Europa durante o verão.

A Comissão Europeia anunciou esta quinta-feira novas medidas de apoio aos agricultores para ajudar a minimizar as “graves dificuldades” provocadas pela vaga de seca que afetou a Europa no verão, designadamente ao nível da alimentação dos animais.

O executivo comunitário indicou que decidiu conceder derrogações suplementares “para permitir aos agricultores alimentar suficientemente os seus animais”, com medidas para aumentar a disponibilidade dos recursos forrageiros para o gado, “que constitui um dos principais desafios com que se confrontam os agricultores na sequência da seca”.

Entre as derrogações hoje apresentadas conta-se a possibilidade de considerar as culturas de inverno (normalmente semeadas no outono para a colheita e pastagem) como culturas intermédias, o que é proibido pelas regras em vigor, desde que sejam utilizadas para pastagem ou para forragem.

Bruxelas lembra que estas medidas contemplam o pacote de ações anunciado já no início do mês, quando a Comissão anunciou a antecipação dos pagamentos diretos aos agricultores para menorizarem o impacto das dificuldades causadas pela seca, uma decisão que vai ao encontro de um pedido feito pelo Governo português a Bruxelas.

O executivo comunitário esclareceu que os agricultores poderão receber antecipadamente em meados de outubro até 70% dos seus pagamentos diretos e até 85% de pagamentos a título do desenvolvimento rural.

Em 16 de julho, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, pedira à Comissão Europeia a antecipação, de dezembro para outubro, do pagamento das ajudas aos agricultores nos Açores, para fazerem face às dificuldades causadas pela seca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas lança novas medidas de apoio a agricultores devido a seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião