Governo quer aumento do SMN já e adia acordo de rendimentos

  • ECO
  • 5 Novembro 2019

A reunião desta quarta-feira entre Governo e parceiros sociais será apenas sobre a subida do salário mínimo nacional. O Executivo decidiu adiar a negociação do acordo de rendimentos.

O Governo de António Costa vai sentar-se à mesa com os parceiros sociais esta quarta-feira para debater apenas os aumentos futuros do salário mínimo nacional. O Executivo decidiu separar um aumento de curto prazo da remuneração mínima garantida da discussão sobre um acordo de médio prazo para o aumento generalizado de rendimentos, evitando que o primeiro fique dependente da assinatura do segundo, avança o Público (acesso condicionado), esta terça-feira.

No discurso da tomada de posse, o primeiro-ministro defendeu a subir do salário mínimo para 750 euros até 2023, começando a ouvir a esse respeito os parceiros sociais, esta quarta-feira. Além de aumentar o salário mínimo, António Costa quer ver uma subida generalizada dos rendimentos, no curso desta legislatura, mediante um acordo plurianual negociado em Concertação Social.

Antes de passar para essa segunda etapa, o Governo vai, contudo, focar-se apenas na subida da remuneração mínima garantida, evitando que tal fique dependente da assinatura do acordo referido e facilitando a sua passagem pelo Parlamento.

É que, diz o Código do Trabalho, o Executivo tem de ouvir os parceiros sociais quanto à trajetória do salário mínimo nacional, mas não precisa de receber “luz verde” na Concertação Social. Já o acordo sobre os rendimentos exigirá um trabalho de negociação mais profundo e provavelmente algumas contrapartidas negociadas com patrões e sindicatos.

Por outro lado, mesmo que os partidos mais à esquerda defendam um aumento superior do SMN àquele que acabar por ficar determinado pelo Governo, não deverão à partida chumbar essa subida. Ou seja, isolar a remuneração mínima garantida é também vantajoso nessa área.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer aumento do SMN já e adia acordo de rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião