Governo quer aumento do SMN já e adia acordo de rendimentos

  • ECO
  • 5 Novembro 2019

A reunião desta quarta-feira entre Governo e parceiros sociais será apenas sobre a subida do salário mínimo nacional. O Executivo decidiu adiar a negociação do acordo de rendimentos.

O Governo de António Costa vai sentar-se à mesa com os parceiros sociais esta quarta-feira para debater apenas os aumentos futuros do salário mínimo nacional. O Executivo decidiu separar um aumento de curto prazo da remuneração mínima garantida da discussão sobre um acordo de médio prazo para o aumento generalizado de rendimentos, evitando que o primeiro fique dependente da assinatura do segundo, avança o Público (acesso condicionado), esta terça-feira.

No discurso da tomada de posse, o primeiro-ministro defendeu a subir do salário mínimo para 750 euros até 2023, começando a ouvir a esse respeito os parceiros sociais, esta quarta-feira. Além de aumentar o salário mínimo, António Costa quer ver uma subida generalizada dos rendimentos, no curso desta legislatura, mediante um acordo plurianual negociado em Concertação Social.

Antes de passar para essa segunda etapa, o Governo vai, contudo, focar-se apenas na subida da remuneração mínima garantida, evitando que tal fique dependente da assinatura do acordo referido e facilitando a sua passagem pelo Parlamento.

É que, diz o Código do Trabalho, o Executivo tem de ouvir os parceiros sociais quanto à trajetória do salário mínimo nacional, mas não precisa de receber “luz verde” na Concertação Social. Já o acordo sobre os rendimentos exigirá um trabalho de negociação mais profundo e provavelmente algumas contrapartidas negociadas com patrões e sindicatos.

Por outro lado, mesmo que os partidos mais à esquerda defendam um aumento superior do SMN àquele que acabar por ficar determinado pelo Governo, não deverão à partida chumbar essa subida. Ou seja, isolar a remuneração mínima garantida é também vantajoso nessa área.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer aumento do SMN já e adia acordo de rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião