China avisa EUA que redução de taxas é “condição importante” para acordo comercial

  • Lusa
  • 14 Novembro 2019

"A guerra comercial começou com a imposição de taxas e também deveria terminar com a abolição de taxas'', disse o porta-voz do ministério chinês.. China quer redução das taxas para acordo preliminar.

A China advertiu esta quinta-feira Washington de que suspender parte das taxas alfandegárias adicionais sobre bens chineses é uma “condição importante” para um acordo preliminar que permita avançar com as negociações para pôr fim à guerra comercial.

A redução de taxas “é uma condição importante para os dois lados chegarem a um acordo” e “os negociadores estão a discutir isso em profundidade”, disse o porta-voz do ministério chinês do Comércio, Gao Feng, em conferência de imprensa.

A guerra comercial começou com a imposição de taxas e também deveria terminar com a abolição de taxas”, defendeu.

Pequim disse, na semana passada, que os negociadores norte-americanos concordaram em reverter taxas alfandegárias adicionais que entraram em vigor, em setembro passado, sobre 112 mil milhões de dólares (101 mil milhões de euros) de importações oriundas da China.

Em troca, a China compraria produtos agrícolas norte-americanos, num valor entre os 40.000 e os 50.000 milhões de dólares (36.000 a 45.000 milhões de euros), visando reduzir o deficit comercial entre os dois países, uma das principais exigências do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

No entanto, Trump descartou a hipótese de reduzir as taxas no dia seguinte, abalando os mercados financeiros globais.

Os detalhes de um acordo que Trump designou como “fase 1” ainda não foram divulgados, mas não resolvem questões centrais da disputa, incluindo políticas industriais chinesas, como transferência forçada de tecnologia, proteção de propriedade intelectual ou atribuição de subsídios às empresas domésticas por Pequim, enquanto as protege da competição externa.

Observadores consideram que um acordo final é improvável este ano. Outros continuam céticos de que os dois lados possam concluir um acordo interino.

Na quinta-feira, as bolsas asiáticas caíram depois de o Wall Street Journal ter avançado que os negociadores chineses estão relutantes em comprometerem-se com um valor específico para a compra de produtos agrícolas norte-americanos.

A ascensão ao poder de Donald Trump desencadeou disputas comerciais entre Pequim e Washington, com cada um dos dois países a aumentar as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos do outro.

A liderança norte-americana, que teme perder o domínio industrial global à medida que Pequim tenta transformar as firmas estatais do país em importantes atores em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial ou robótica, acusa a China de práticas comerciais injustas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China avisa EUA que redução de taxas é “condição importante” para acordo comercial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião