Seguro paramétrico rende 745 mil dólares à Costa do Marfim

  • ECO Seguros
  • 14 Novembro 2019

Foi detetada seca prolongada através de dados fornecidos pelos serviços meterológicos locais. Depois de tratados por um software da African Risk Capacity, despoletou o processo de indemnização.

O défice de chuvas na Costa do Marfim levou uma agência especializada em cobertura de riscos da União Africana a pagar 745 mil dólares ao governo do país depois de ter sido acionada uma apólice de risco paramétrico.

O dinheiro recebido será distribuído por mais de 32 mil pessoas cuja atividade agrícola foi afetada pela falta de chuvas, o correspondente a 6500 famílias. A verba foi paga pela African Risk Capacity (ARC), um organismo da União Africana especializado no apoio aos governos africanos para melhorarem as suas capacidades de resposta a desastres naturais e alterações climáticas.

Uma das formas de apoio é o seguro paramétrico, que oferece cobertura em situações relacionadas com as alterações climáticas, sendo utilizado habitualmente um parâmetro meteorológico que se combina com o fluxo de receitas ou estrutura de custos. No âmbito deste tipo de seguro a ARC também pagou 23 milhões de dólares ao governo do Senegal devido a uma crise de seca.

A ARC utiliza um modelo de risco paramétrico chamado Africa RiskView que, no caso da Costa do Marfim, detetou que a falta de chuva na região central do país iria colocar em risco a segurança alimentar de 400 mil pessoas.

A missão da ARC é usar os modernos mecanismos financeiros, como uma pool de riscos e transferência de riscos, para criar sistemas pan-africanos de resposta climática que permitam aos países do continente corresponder às necessidades de populações afetadas por desastres naturais.

Ao agrupar os riscos, a ARC tem acesso aos mercados globais de resseguros que lhe permitem assegurar capacidade para gerir o seu portfolio, passando as eficiências do resseguro aos países africanos participantes.

A Costa do Marfim aderiu ao seguro paramétrico em 2019, tendo comprado a cobertura do défice de chuvas nas regiões centro e norte do país.

A ARC conta com 33 países africanos como estados membros, entre eles os membros da CPLP Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné Bissau. Já efetuou 36,8 milhões de dólares de pagamentos rápidos, assiste 2,1 milhões de pessoas e tem 400 milhões de dólares de coberturas por risco de seca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguro paramétrico rende 745 mil dólares à Costa do Marfim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião