Embraer anuncia nome de parceria com Boeing para promover avião militar

  • Lusa
  • 18 Novembro 2019

A Embraer e a Boeing formam join venture para desenvolver a aeronave C-390 que será designada "Boeing Embraer-Defense". A aeronave militar já recebeu a certificação da ANAC e já está em em produção.

A fabricante de aeronaves brasileira Embraer e a norte-americana Boeing informaram esta segunda-feira que a join venture que pretendem criar para promover e desenvolver a aeronave C-390 será designada “Boeing Embraer-Defense”.

Em comunicado conjunto, as duas empresas destacaram que a organização estará operacional apenas depois que a joint venture (empreendimento comum) das empresas receber as aprovações dos órgãos regulatórios e cumprir com as condições para a conclusão das negociações.

“O nome da nossa ‘joint venture’ representa a forte parceria entre a Embraer e a Boeing que reforçará a competitividade global e ampliará os mercados potenciais para essa incrível aeronave, desenvolvendo e gerando maior valor para que o programa C-390 ofereça o melhor para nossos futuros clientes”, informou, no comunicado, Jackson Schneider, presidente executivo da Embraer Defesa & Segurança.

Marc Allen, presidente da Boeing para a parceria com a Embraer e operações do grupo, acrescentou: “A Boeing Embraer–Defense irá se basear no histórico de colaboração entre nossas empresas, no setor aeroespacial comercial e de defesa, para agregar maior valor ao C-390 Millennium, à medida que o avião está entrando em serviço e irá liderar a próxima geração de aeronaves de transporte e mobilidade aérea”.

As duas empresas frisaram que o C-390 Millennium é uma aeronave de transporte tático desenvolvida para estabelecer novos padrões na sua categoria, apresentando ao mesmo tempo o menor custo do ciclo de vida do mercado.

A aeronave militar já recebeu a Certificação Civil da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), do Brasil, em 2018 e está em produção.

Em agosto de 2019, Portugal assinou um contrato para adquirir cinco destas aeronaves com entregas previstas para 2023.

A Embraer terá 51% de participação na Boeing Embraer-Defense, enquanto a Boeing deterá os 49% restantes.

A parceria do C-390 Millennium é uma das duas joint ventures planeadas entre as empresas.

A Embraer também anunciou, no domingo, que firmou um novo contrato com a CIAF Leasing, companhia sediada no Cairo, para a venda de três aeronaves E190, avaliado em 161,4 milhões de dólares (145,6 milhões de euros).

Os acionistas da Embraer aprovaram, em fevereiro, o acordo sobre a venda da divisão comercial da empresa à Boeing.

O acordo estipula que a Boeing deverá pagar 4,2 mil milhões de dólares (3,8 mil milhões de euros) para obter 80% da nova companhia e a Embraer ficará com os 20% restantes, estimando-se que o negócio fique concluído até o fim do ano.

A Embraer é fabricante e líder mundial de aeronaves comerciais com até 150 lugares e tem mais de 100 clientes em todo o mundo.

A empresa brasileira mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora, funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, com 65% do capital, em Alverca.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Embraer anuncia nome de parceria com Boeing para promover avião militar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião