Estes são os 5 números que tem de saber na OPA do Benfica

Qual o valor da OPA? Quanto vai gastar o Benfica com esta operação? Fique a conhecer os cinco números que marcam a oferta apresentada pelo clube da Luz aos pequenos investidores.

O Benfica lançou uma OPA parcial sobre a SAD. Quer comprar os títulos que estão dispersos por pequenos investidores, oferecendo a muitos deles a oportunidade de venderem as ações adquiridas em 2001 por um valor muito semelhante ao pago na altura em que o clube encarnado era liderado por Manuel Damásio. Conheça os cinco números que marcam esta oferta.

5,00 euros

O Benfica que comprar 6.455.434 ações, nominativas e escriturais da categoria B, que são ordinárias, que não detém. São títulos que estão dispersos por pequenos investidores, aos quais a SAD apresenta uma contrapartida de 5,00 euros.

O valor da oferta tem uma explicação. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a SAD explica que o “preço oferecido visa assegurar que os acionistas que adquiriram as suas ações (…) no decurso da oferta pública de distribuição realizada em 2001 possam vender as ações de que são titulares a um preço semelhante ao preço nominal a que as mesmas foram subscritas (1.000 escudos, ou seja, 4,99 euros)”.

81,1%

Os 5,00 euros oferecidos na OPA superaram largamento o valor dos títulos da SAD no mercado de capitais. Na última sessão antes do anúncio da OPA, as ações do Benfica estavam a cotar nos 2,76 euros, pelo que o prémio apresentado nesta oferta ascende a 81,1%.

32,2 milhões de euros

O Benfica propõe-se a adquirir 6.455.434 ações da SAD, de categoria B, por um valor de 5,00 euros. Tendo em conta o número de ações objeto da oferta, a OPA agora anunciada poderá levar o Benfica a gastar, no máximo, 32,27 milhões de euros com a operação que levará a SAD a controlar a grande maioria do capital.

755.065 ações

A oferta é apresentada por 6.455.434 ações, de categoria B, mas há algumas que não serão adquiridas. No comunicado enviado à CMVM, a SAD explica que os membros dos órgãos sociais do Benfica “não podem aceitar a oferta, vendo assim os seus interesses preteridos face ao interesse do oferente e, consequentemente, do Sport Lisboa e Benfica”.

No total, os administradores do Benfica têm em seu poder 755.065 ações da SAD encarnada, sendo que a maioria destes títulos pertence ao presidente da SAD, Luís Filipe Vieira. O líder dos encarnados detém 753 mil títulos, representativos de 3,27% do capital da SAD.

Artigo 194

O Benfica quer comprar praticamente todos os títulos da SAD que estão no mercado, mas em momento algum pretende retirar a SAD da bolsa de Lisboa. “É intenção do oferente dar continuidade à atividade empresarial da sociedade visada, enquanto sociedade aberta ao investimento do públicos sob o domínio exclusivo do Sport Lisboa e Benfica e com as ações representativas do seu capital social admitidas à negociação no mercado regulamentado Euronext Lisboa”.

A SAD vinca que “não irá requerer a perda da qualidade da sociedade aberta”. “Em atenção às características da oferta, não será aplicável, após a sua conclusão o regime de aquisição ou alienação potestativa previsto nos artigos 19.º e 196.º do Código de Valores Mobiliários”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes são os 5 números que tem de saber na OPA do Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião