Projeto para inovar no setor imobiliário apoiado pela Agência Espacial Europeia

  • Lusa
  • 22 Novembro 2019

A Agência Espacial Europeia em Portugal apoiou o projeto “Localista”, focado no “desenvolvimento de uma solução digital inovadora para o setor imobiliário", com 50 mil euros.

Um projeto de investigação para mudar o paradigma na compra e venda de casas recebeu 50 mil euros do Business Incubation Center da Agência Espacial Europeia em Portugal (ESA BIC Portugal), foi esta sexta-feira anunciado.

O projeto “Localista”, focado no “desenvolvimento de uma solução digital inovadora para o setor imobiliário, recebeu 50 mil euros do ESA BIC Portugal, revela a Universidade de Coimbra (UC), numa nota enviada esta sexta-feira à agência Lusa.

Liderado pelo docente e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC), no âmbito do programa MIT Portugal, João Fonseca Bigotte, o “Localista” pretende “mudar o paradigma na compra e venda de casas”.

Hoje, a informação disponibilizada nos websites imobiliários, um dos principais meios de pesquisa, “centra-se em dois critérios – descrição das características do imóvel e indicação do preço –, negligenciando um fator de decisão crucial – a localização”, afirma, citado pela UC, João Fonseca Bigotte.

“A nova solução irá permitir comparar a localização dos imóveis de forma objetiva, traduzindo a facilidade de acesso a equipamentos e serviços que uma dada localização permite, ou seja, vamos fornecer um índice de atratividade (de A a E, de forma semelhante às classes de eficiência energética)”, acrescenta.

Assim, refere ainda o investigador do Centro de Investigação do Território, Transportes e Ambiente (CITTA), será possível que cada utilizador “encontre o imóvel mais adequado aos seus interesses, avaliando a localização deste em função das suas preferências de mobilidade e de qualidade/estilo de vida, por exemplo, o acesso a meios de transporte públicos” ou a proximidade a escolas ou a zonas verdes.

Para tal ser possível, “reunimos um conjunto de dados de diversas fontes, muitos deles georreferenciados, mas a grande inovação consiste em incorporar tecnologias espaciais, que no nosso caso respeitam a dados de satélite de observação da Terra, para conseguirmos determinar este nosso índice de atratividade de uma determinada localização”, explicita João Fonseca Bigotte.

O projeto já conta com o interesse de “duas das cinco maiores agências de mediação imobiliária nacionais em realizar um projeto-piloto”, que se traduzirá numa ferramenta “muito útil, quer para os agentes imobiliários quer para o consumidor final”.

Atualmente, “uma das grandes dificuldades de um mediador imobiliário é conseguir perceber o que é que o cliente pretende exatamente e, por isso, muitas vezes mostra imóveis que não correspondem às expectativas de quem procura”, sustenta João Fonseca Bigotte.

“Podemos dizer que o “Localista” vai facilitar a comunicação entre o mediador e o cliente. Para o mediador, permite efetuar uma melhor qualificação do cliente e uma melhor pré-seleção de imóveis a visitar. Para o cliente, permite encontrar e comparar imóveis mais adequados às suas expectativas”, nota ainda o investigador do CITTA.

O ESA BIC, promovido pela Agência Espacial Europeia em vários países-membros, é coordenado em Portugal pelo Instituto Pedro Nunes (IPN), de Coimbra. Este programa destina-se a apoiar financeiramente o desenvolvimento tecnológico de protótipos de soluções inovadoras, com elevado potencial de mercado, que incorporem tecnologias espaciais e/ou dados de satélite de observação da Terra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Projeto para inovar no setor imobiliário apoiado pela Agência Espacial Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião