Fidelidade comprou 18,2 milhões de dívida da CGD

  • Lusa
  • 24 Novembro 2019

Participando na última operação de 500 milhões da CGD, a carteira da Fidelidade atinge agora 93, 9 milhões em dívida da Caixa que detém 15% do capital da seguradora.

A seguradora Fidelidade comprou 18,2 milhões de euros de dívida da Caixa Geral de Depósitos (CGD), na recente operação em que o banco público emitiu 500 milhões de euros foi comunicado ao mercado.

Segundo um comunicado enviado pela CGD à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que reproduz uma carta enviada pela Fidelidade ao banco público, a seguradora adquiriu um volume de 18,2 milhões de euros em obrigações com um preço de 99,88%.

De acordo com o documento, nesta operação a CGD emitiu 500 milhões de euros em dívida a cinco anos, com uma taxa de juro de 1,25%.

A notificação deve-se ao facto de a Fidelidade ter como administradores José João Guilherme e Francisco Cary, que também fazem parte da administração do banco público.

Com a adição de 18,2 milhões de euros, a carteira de obrigações da CGD que a Fidelidade detém chega agora aos 93,9 milhões de euros, de acordo com a soma dos valores presentes na notificação da seguradora ao banco público.

A Caixa Geral de Depósitos detém 15% do capital da Fidelidade, que é maioritariamente detida (84,9861%) pela chinesa Fosun, que, por exemplo, detém 27,25% do BCP.

A emissão de dívida sénior não preferencial da CGD, no montante de 500 milhões de euros, a cinco anos e com uma taxa de juro de 1,25%, teve uma procura sete vezes superior à oferta, divulgou a instituição.

Esta foi a primeira emissão deste tipo de dívida realizada por um banco português, no seguimento da aprovação do seu enquadramento legal, de acordo com a Caixa Geral de Depósitos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade comprou 18,2 milhões de dívida da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião