Finibanco Angola e aumento de impostos reduzem lucros do Banco Montepio para 17,7 milhões

O Banco Montepio registou lucros de 17,7 milhões de euros, nos primeiros nove meses do ano, uma redução face aos 22,4 milhões verificados no período homólogo.

O Banco Montepio registou lucros de 17,7 milhões de euros, nos primeiros nove meses do ano, valor que comparam com 22,4 milhões registados no mesmo período de 2018. A instituição reduziu os custos operacionais e aumentou os depósitos dos clientes, mas o Finibanco Angola e o aumento do nível de impostos acabaram por pesar no desempenho.

Enquanto o aumento de impostos se fixou em 27 milhões de euros, a “menor contribuição das operações em descontinuação”, nomeadamente do Finibanco Angola, representou um recuo de 11,3 milhões de euros, adianta a instituição em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Antes de impostos, o resultado consolidado do banco foi de 43,8 milhões de euros, uma subida de 31,2 milhões. Os custos operacionais da instituição liderada por Dulce Mota desceram 5,1%, para os 189,7 milhões de euros.os depósitos de clientes cresceram 1,5% para 12.574 milhões de euros.

O Banco Montepio destaca que estes resultados são “compatíveis com o desenvolvimento do negócio e com os resultados que haviam sido previstos em orçamento”. Mas, ainda assim, “difere do previsto no orçamento, em larga medida devido à não verificação de alguns pressupostos relevantes, em particular a evolução das taxas de juro determinadas pela política monetária do BCE”.

(Notícia atualizada às 8h50)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finibanco Angola e aumento de impostos reduzem lucros do Banco Montepio para 17,7 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião