5G: Arranca hoje a migração da TDT com início marcado para Odivelas

  • Lusa
  • 27 Novembro 2019

O processo de migração da televisão digital terrestre (TDT), uma parte fundamental da implementação da quinta geração móvel (5G) em Portugal, arranca esta quarta-feira no emissor Odivelas Centro.

O processo de migração da televisão digital terrestre (TDT), uma parte fundamental da implementação da quinta geração móvel (5G) em Portugal, arranca esta quarta-feira no emissor Odivelas Centro, em Lisboa.

Esta alteração é a primeira a ocorrer em Portugal e implica que quem esteja sintonizado na faixa de 700 Mhz (megahertz) tenha que voltar a sintonizar os seus equipamentos para a nova frequência, libertando assim esta faixa para o 5G.

Após a realização deste teste piloto, as alterações dos restantes emissores que compõem a rede TDT, gerida pela Altice Portugal, estão previstas ocorrer no início do próximo ano.

Numa nota de agenda, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) dá conta de uma sessão marcada para hoje, com o presidente da entidade, João Cadete de Matos, e o presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins, nos Paços do Concelho da cidade, para assinalar as mudanças.

Durante esta semana, a Anacom levou a cabo uma ação de sensibilização na zona abrangida pela alteração do emissor para “informar e esclarecer a população sobre a alteração que vai ter lugar na próxima quarta-feira, dia 27 de novembro [hoje]”.

“Nesse dia, quando o emissor for alterado, as pessoas que vejam televisão gratuita, através de TDT, e que recebam o sinal através desse emissor ficarão com o ecrã da sua televisão a negro, sem imagem, e terão que usar o comando do descodificador ou da ‘box’ para fazer a sintonia desses equipamentos para voltarem a ver televisão normalmente”, indicou a Anacom num comunicado, divulgado no dia 22 de novembro.

O regulador conta com um número de telefone gratuito (800 102 002), “para o qual as pessoas que tenham que fazer a sintonia dos seus televisores ou descodificadores de TDT poderão ligar para obter ajuda. A Anacom terá ainda equipas no terreno que poderão apoiar na sintonia”, de acordo com o comunicado.

O organismo volta a salientar que as alterações da rede de emissores da TDT, que prosseguem depois em fevereiro, de sul para norte, terminando nas Regiões Autónomas, não implicam “substituir ou reorientar as antenas, trocar a televisão ou o descodificador; e ninguém terá que subscrever serviços de televisão paga”.

A informação já chegou “a 135 mil residências e estabelecimentos comerciais das zonas potencialmente abrangidas pela alteração de frequência do emissor de Odivelas Centro”, destacou a Anacom, e que incluem todo o concelho de Odivelas, as freguesias de Lumiar, Carnide e Santa Clara, em Lisboa, e Encosta do Sol, na Amadora.

A Anacom revelou em agosto que as alterações da rede TDT “serão feitas de forma gradual, num processo que demorará cerca de seis meses”, e que o projeto de decisão “compreende a definição das alterações técnicas que a Meo [Altice] terá de introduzir na rede de TDT, a metodologia a utilizar e o respetivo faseamento”.

O processo de libertação da faixa leva a que os clientes da TDT sintonizem o canal noutra frequência, sendo que a alteração implica que o emissor de Odivelas Centro passe do canal 56 para o canal 35.

“Este processo não terá qualquer impacto numa parte dos utilizadores de TDT, designadamente aqueles que já estão a utilizar os canais 40, 42, 45, 46, 47 e 48”, uma vez que estes se vão manter em funcionamento, segundo a entidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5G: Arranca hoje a migração da TDT com início marcado para Odivelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião