CP vai receber do Estado 90 milhões em 2020 pelo serviço público

O Estado vai injetar na CP - Comboios de Portugal 90 milhões de euros no próximo ano para serviço público, anunciou o primeiro-ministro, António Costa.

O Estado vai injetar 90 milhões de euros na CP – Comboios de Portugal no próximo ano, decorrentes do contrato de serviço público que foi assinado esta quinta-feira entre ambos. O anúncio foi feito por António Costa, que disse ainda esta quantia é uma “obrigação do Estado”, mas que também servirá “para que a CP cumpra as obrigações que assumiu”.

“Pela primeira vez a CP vai ser dotada de um contrato de serviço público. Pela primeira vez vamos definir quais são as obrigações da CP do ponto de vista do serviço público”, começou por dizer o primeiro-ministro na cerimónia de assinatura do documento, que decorreu esta quinta-feira na estação de comboios do Rossio, em Lisboa.

“Vai ser fixado e contratualizado, para os próximos dez anos, o nível de financiamento anual a que o Estado se obriga para que a CP cumpra essas obrigações de serviço público e vão ser definidos indicadores operacionais identificáveis para que possa ser medido o cumprimento da CP, a sua responsabilidade e o seu devido prémio“, continuou.

Este contrato prevê que o Estado injete na CP 90 milhões de euros no próximo ano, mais dez milhões do que aquilo que investiu este ano, anunciou Costa. “As obrigações que o Estado assume são pesadas. E, para o ano, a obrigação do Estado é de transferir para a CP 90 milhões de euros, para que a CP cumpra as obrigações que assumiu“.

Para António Costa, este é o “maior programa de investimento em infraestrutura ferroviária, depois de décadas e décadas onde a prioridade foi a rodovia”. Deste programa faz ainda parte a construção de novas linhas, a recuperação e reabertura de outras e o lançamento de concursos.

“Mas, sobretudo, está a fazer-se um esforço da maior importância, do ponto de vista económico e da rentabilidade dos ativos, para não desperdiçar o material que já temos. Esse esforço de reanimação da EMEF, com o reforço dos quadros e com a aposta efetiva nas condições do seu funcionamento, tem permitido investir na recuperação de dezenas de composições que estavam paradas e que podem ser recuperadas e colocadas aos serviço da CP“, rematou o primeiro-ministro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CP vai receber do Estado 90 milhões em 2020 pelo serviço público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião