Adesão de mais de 90% na greve do pessoal não docente, segundo sindicato

  • Lusa
  • 29 Novembro 2019

A FNSTFPS, filiada na CGTP, convocou para esta sexta-feira uma greve nacional, contestando, entre outras coisas, a falta de pessoal não docente que se verifica há vários anos.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) anunciou esta sexta-feira no Porto que a adesão à greve do pessoal não docente “ultrapassou os 90%” e que “há centenas e centenas de escolas encerradas” no país.

Em declarações à porta da Escola Básica e Secundária do Cerco do Porto, a coordenadora da FNSTFPS, Ana Avoila, repetiu as críticas ao Governo ao mesmo tempo que salientou a adesão dos trabalhadores à paralisação decretada. “É um balanço muito, muito positivo, que corresponde aos objetivos que a greve tem, designadamente [de combate] à falta de pessoal, aos salários baixos e à falta de condições de trabalho, tudo isso, e a que o Governo, tal como na legislatura passada, não respondeu, traçando uma política de continuação de destruição de direitos dos trabalhadores”, disse.

Acusando o executivo liderado por António Costa de não ter “uma única medida que melhore o que tinha na legislatura passada” e considerando que “pelo contrário, é só para piorar”, Ana Avoila passou depois aos números da “resposta dada pelos trabalhadores descontentes”.

Esta não é a primeira greve, é uma das maiores greves, que tem mais de 90% de adesão. Há centenas e centenas de escolas encerradas por todo o país e o Governo tem de tirar daqui ilações, ou se não, é um Governo que está de má-fé e que pretende continuar a governar à direita como fez nos últimos anos para os trabalhadores da administração pública”, frisou a coordenadora sindical.

Em declarações à porta de uma escola onde, às 12h40, a única indicação de paralisação estava num comunicado, assinado pelo diretor do estabelecimento, dando conta que as “aulas estavam suspensas neste dia”, Ana Avoila voltou aos números para acentuar a exigência. “Queremos 6.000 funcionários no mínimo, porque não queremos uma sociedade de regressão, queremos uma sociedade de evolução e a escola pública que vai educar os nossos filhos, os nossos netos tem de ter condições mínimas e seis mil é para ter as condições mínimas”, enfatizou.

“O Governo nem 6.000 quer contratar. O Governo o que pretende é mão-de-obra mais barata e a polivalência entre profissões, sendo que muitas delas já nem existem”, prosseguiu.

Afirmando que os números da paralisação de hoje representam “um cartão amarelo ao Governo” prometeu prosseguir a luta e deixou a “certeza” de que “o Governo, com o programa que aprovou, vai ter conflitualidade laboral se não o alterar”. “Tem de haver vontade pública e o que este Governo tem feito à administração pública não é diferente do que fez o anterior, designadamente nos salários, condições de trabalho e falta de pessoal”.

A FNSTFPS, filiada na CGTP, convocou para hoje uma greve nacional dos trabalhadores não docentes dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas da rede pública, contestando a falta de pessoal não docente que se verifica há vários anos, entre outras reivindicações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Adesão de mais de 90% na greve do pessoal não docente, segundo sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião