À espera da OPEP, petróleo avança mais de 2%

Arábia Saudita e Iraque alinham na vontade de querer mais cortes de produção, mas a Rússia poderá ser um entrave. OPEP+ reúne-se esta quinta e sexta-feira em Viena para decidir futuro do mercado.

A produção de petróleo pode voltar a recuar e, à espera dessa decisão, a matéria-prima segue em forte alta nos mercados internacionais. O preço por barril sobe mais de 2% tanto em Londres como em Nova Iorque, no início da semana em que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os países aliados que alinham com o programa de cortes se vão reunir para decidir o futuro do mercado.

A OPEP e os alinhados da OPEP+ estão a avaliar avançar com novos cortes de produção de petróleo, segundo anunciou o ministro do Petróleo do Iraque este domingo. Thamer Ghadhban antecipa uma redução em cerca de 400 mil barris diários face à produção atual.

Esta segunda-feira, a Reuters noticia que também a Arábia Saudita apoia o corte e que este poderá estender-se até junho. Em reação, o brent de referência europeia valoriza 2,35% para 61,91 dólares por barril. Já o crude WTI sobe 2,43% para 56,48 dólares por barril.

Brent londrino recupera

Os países exportadores da OPEP+ têm levado a cabo cortes de produção há três anos com vista a levar o mercado petrolífero rumo a um equilíbrio e a suportar os preços da matéria-prima. O acordo atual que prevê um corte de oferta de 1,2 milhões de barris por dia acordado em janeiro deste ano expira em março do próximo ano.

Se decidirem aprofundar a redução, esta poderá passar para 1,6 milhões de barris. No entanto, ainda não é certo. O ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, disse na sexta-feira que prefere que a OPEP e os aliados esperem até abril, antes de tomar uma decisão sobre a extensão do acordo de produção de petróleo, revelou a agência de notícias TASS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À espera da OPEP, petróleo avança mais de 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião