TdC aponta incorreções nas contas de 2015 da Ordem dos Enfermeiros

  • Lusa
  • 2 Dezembro 2019

Num relatório divulgado, o Tribunal de Contas adianta que fez uma verificação interna à conta da Ordem dos Enfermeiros de todo o ano de 2015, tendo verificado incorreções a vários níveis. 

O Tribunal de Contas (TdC) detetou incorreções nas contas da Ordem dos Enfermeiros no ano de 2015, anterior ao mandato da atual bastonária Ana Rita Cavaco, recusando a homologação das contas desse período.

Num relatório divulgado no seu site, o TdC adianta que fez uma verificação interna à conta da Ordem dos Enfermeiros de todo o ano de 2015, tendo verificado incorreções a vários níveis. As incorreções foram detetadas em movimentos contabilísticos, revisão das reconciliações bancárias e de folhas de caixa, reporte mensal das faturas emitidas, adiantamentos e pagamentos a fornecedores, processamento de ajudas de custo, alteração de registos após o encerramento das contas ou cobrança de taxas de inscrição.

“Conclui-se pela existência de irregularidades de natureza técnica e administrativa, pela ausência de normas de controlo interno e que as contas não estão completas, verdadeiras, objetivas e com informação consistente, o que justifica a recusa de homologação da conta de 2015″, refere o tribunal.

O TdC recomenda ao conselho diretivo da Ordem dos Enfermeiros a tomada de medidas de controlo interno e determina que dentro de 180 a Ordem comunique as medidas adotadas, mediante documentos comprovativos. A Ordem terá ainda de pagar cerca de 17 mil euros de emolumentos.

Em 2015, a Ordem dos Enfermeiros era liderada por Germano Couto, o bastonário que antecedeu no cargo Ana Rita Cavaco, que está à frente da Ordem desde 2016, tendo no mês passado sido reeleita.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TdC aponta incorreções nas contas de 2015 da Ordem dos Enfermeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião