Vista Alegre salda dívidas à banca para poder voltar a dar dividendos

A empresa devolveu cerca de 40 milhões de euros que devia à CGD e ao BCP, o que foi possível com o valor angariado com a emissão de 50 milhões de euros de dívida feita em outubro.

A Vista Alegre libertou-se das amarras que impediam que distribuísse dividendos aos seus acionistas. A empresa saldou uma dívida de cerca de 40 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos (CGD) e ao BCP, anunciou em comunicado enviado ao mercado nesta segunda-feira. Para tal, usou o valor angariado com a emissão obrigacionista de 50 milhões de euros levada a cabo em outubro.

“Na sequência da emissão de obrigações garantidas no montante global de 50 milhões de euros concretizada e comunicada ao mercado no passado dia 22 de outubro, a Vista Alegre informa que, conforme previsto no Information Memorandum da referida emissão, procedeu ao reembolso integral”, diz a Vista Alegre enumerando três operações.

Nomeadamente a devolução de: 26.916.822,18 de euros do empréstimo sindicado com a CGD e o BCP; 4.927.229,97 euros do empréstimo sindicado da CGD; e de 8.783.673,72 euros dos empréstimos da CGD com garantia sobre a Ria Stone. Globalmente, está em causa a devolução de 40 milhões de euros.

Para concretizar essa liquidação, a Vista Alegre usou o financiamento angariado na emissão obrigacionista de 50 milhões de euros de outubro. Na altura, a empresa disse que a emissão lhe permitiria libertar de um “conjunto de garantias e restrições que mantinha perante os bancos, designadamente hipotecas sobre instalações fabris, penhor de marcas e equipamentos, bem como o levantamento da limitação à distribuição de dividendos”. A Vista Alegre está integrada no grupo Visabeira.

Já em abril, Nuno Marques, chairman da empresa, congratulava-se com os resultados conseguidos pela Vista Alegre no primeiro trimestre do ano, revelando a intenção de distribuir os resultados pelos acionistas e apontando para a vontade de “primeiro pagar a dívida” que impedia esse pagamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vista Alegre salda dívidas à banca para poder voltar a dar dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião