SIGI “são uma hipótese”. Mas em parceria com investidores estrangeiros, diz CEO do Grupo SIL

O Governo tem de criar um "pacote de benefícios fiscais adequado" para as SIGI e, nessa altura, o Grupo SIL admite criar uma ferramenta dessas, destinada à habitação a baixos custos.

As Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) nasceram há quatro meses e, embora seja público o interesse de muitas empresas, ainda nenhuma foi criada. Isto porque a regulação deixa os investidores de pé atrás. Do lado do Grupo SIL, as SIGI “são uma hipótese” no futuro, mas apenas em parceria com um investidor estrangeiro. Contudo, admite Pedro Silveira, continua a ser preciso um “pacote de benefícios fiscais adequado”.

As SIGI “vieram tarde, de certeza absoluta”, diz o CEO do Grupo SIL, em entrevista ao ECO. Para Pedro Silveira, Portugal deveria ter sido o primeiro e não quase dos últimos países a criar este instrumento, que é uma “vantagem para o mercado” — visto que vai trazer mais investidores, especialmente internacionais –, mas também para quem precisa de arrendar em vez de comprar um determinado imóvel.

Foram criadas para investir no mercado imobiliário e, embora já haja empresas interessadas, como os espanhóis da Merlin Properties, a verdade é que ainda não há nenhuma SIGI criada. Para Pedro Silveira, o problema é que ainda há algumas questões que não interessam os investidores, como por exemplo a obrigatoriedade de cotar em bolsa, pelo menos, 20% do capital disperso.

É importante um “pacote de benefícios fiscais adequado”, diz Pedro Silveira. “Nesse caso, estaríamos certamente interessados em criar uma SIGI para habitação, para arrendar [os imóveis] a baixo custo”. Para o representante do Grupo SIL, há procura e necessidade por construir casas com rendas mais acessíveis, “mas é impossível no enquadramento fiscal e lei do arrendamento existente responder ao mercado”.

“O Governo tem de perceber que os investidores internacionais de peso têm muitas opções. Ou nós somos suficientemente atrativos ou eles não põem cá o dinheiro. É assim que isto funciona”, afirma.

O Governo tem de perceber que os investidores internacionais de peso têm muitas opções. Ou somos suficientemente atrativos ou não põem cá o dinheiro. É assim que isto funciona.

Pedro Silveira

CEO do Grupo SIL

Por enquanto, as SIGI não estão nos planos do Grupo SIL, mas isso poderá mudar no futuro. “Sim, são uma hipótese, embora neste momento não estejamos propriamente a estudar isso”, disse ao ECO, explicando que, neste momento, o foco da empresa passa pela rentabilização dos terrenos que têm vindo a desenvolver. “Não digo que sim, mas também não vou dizer que não. Depende de como as coisas correrem”, diz.

“É preciso ter bastante capital. Primeiro temos de construir nos nossos terrenos, vender, ganhar bastante dinheiro com isso e só depois pensaremos nisso. Se houver um investidor estrangeiro interessado numa SIGI, que precise de alguém e que ponha algum dinheiro, então aí podemos encarar isso com mais rapidez“, diz, acrescentando que “neste momento, criar uma SIGI sozinhos está de parte, mas com uma potencial parceria é mais provável”.

Contudo, o CEO do Grupo SIL ressalva que, mesmo para isso, é fundamental que o Governo proceda a algumas alterações fiscais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIGI “são uma hipótese”. Mas em parceria com investidores estrangeiros, diz CEO do Grupo SIL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião