Vista Alegre aumenta capital em 15 milhões de euros. Ações suspensas em bolsa

Oferta particular está a decorrer entre esta quarta e quinta-feira. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários suspendeu a negociação das ações na bolsa de Lisboa.

A VAA – Vista Alegre Atlantis vai fazer um aumento de capital de 15 milhões de euros. A venda de ações com um preço indicativo entre 1 e 1,15 euros vai decorrer, junto de investidores particulares, esta quarta e quinta-feira, segundo o comunicado enviado pela empresa ao mercado. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu a negociação das ações na bolsa de Lisboa.

“A subscrição do aumento de capital será efetuada no âmbito de uma oferta particular junto de investidores qualificados, a ter lugar em 4 e 5 de dezembro de 2019, de 15.240.914 novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, representativas de aproximadamente 10% do capital social atual da sociedade“, anunciou a empresa, em comunicado à CMVM.

Cada nova ação a emitir será subscrita por um montante entre 1,00 e 1,15 euros, sendo que a subscrição mínima é de 100 mil euros e o preço final será determinado após o final do período de oferta. A Vista Alegre sublinha que o aumento de capital e a oferta ficam sujeitos à procura, ao preço e às condições de mercado.

“Na eventualidade de uma subscrição incompleta, o aumento de capital é limitado às subscrições recolhidas e aceites pela sociedade, desde que e apenas caso sejam efetivamente subscritas um mínimo de 10.668.640 novas ações, equivalentes a cerca de 7% do capital social atual (tal não se verificando, o aumento de capital e a oferta ficam sem efeito)”, explica.

Assim, o objetivo é vender mais de 15,2 milhões de novas ações, o que no intervalo máximo de preço pode representar um aumento de capital de 17,5 milhões de euros. Se apenas for subscrito o número mínimo para a oferta se concretizar e ao preço mais baixo, o aumento de capital pode ficar pelos 10,7 milhões de euros. Menos que isso, a empresa cancela a oferta.

A Vista Alegre celebrou um contrato de colocação, sem garantia de subscrição, com o CaixaBank, S.A. (como Global Coordinator), bem como com o Caixa – Banco de Investimento, S.A., a JB Capital Markets S.V., S.A.U. e a Nau Securities Limited (como Co-Lead Managers). Os títulos serão admitidos à negociação na bolsa de Lisboa, onde as ações estão agora suspensas.

O Conselho de Administração da CMVM decidiu esta manhã a suspensão da negociação das ações da VAA – Vista Alegre Atlantis – SGPS, “aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado”, o aumento de capital. Antes da suspensão, as ações fecharam a última sessão nos 1,34 euros. Ou seja, a operação em curso pressupõe um desconto entre 15% e 25%. Se voltarem a negociar antes do fim da operação, os títulos poderão corrigir e aproximar-se do valor que os investidores privados estão dispostos a pagar na oferta.

Esta nova operação, através de um processo de accelerated bookbuilding e que poderá levar o capital da sociedade para 134.120.048,00 euros, acontece um ano depois de a Vista Alegre ter falhado uma operação semelhante.

Em dezembro de 2018, pretendia vender 21,77 milhões de novas ações, mas decidiu deixar cair a operação perante o clima de tensão nos mercados internacionais. Depois disso, já em outubro deste ano, a empresa realizou uma emissão obrigacionista de 50 milhões de euros, que lhe permitiu saldar uma dívida de cerca de 40 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos e ao BCP. Estes empréstimos impediam a Vista Alegre de pagar dividendos pelo que a expectativa é que volte a remunerar os acionistas.

(Notícia atualizada às 08h35)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vista Alegre aumenta capital em 15 milhões de euros. Ações suspensas em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião