“Não há qualquer falhanço” no Programa de Arrendamento Acessível, diz o Governo. Metade das rendas está abaixo dos 500 euros

Cerca de metade dos contratos de arrendamento celebrados ao abrigo do Programa de Arrendamento Acessível têm rendas abaixo dos 500 euros e um quarto inferiores a 300 euros.

Metade dos contratos celebrados ao abrigo do Programa de Arrendamento Acessível (PAA), que arrancou a 1 de julho, têm rendas abaixo dos 500 euros, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Habitação. Esta declaração vem na sequência da notícia do Público, que falava num falhanço do PAA de norte a sul do país. Para o Governo, “não há qualquer falhanço”.

“O ritmo de contratos assinados continua a aumentar de um a cada dois dias”, lê-se no comunicado emitido pelo ministério de Pedro Nuno Santos, que refere ainda que “um quarto destes contratos tem rendas inferiores a 300 euros e cerca de metade tem rendas inferiores a 500 euros”.

Desde que arrancou, o PAA celebrou 78 contratos, a maioria na zona de Lisboa, “onde a pressão é mais evidente”. Contudo, o número de arrendatários interessados continua a ser bastante superior ao número de proprietários. A plataforma do PAA tem 249 habitações registadas, que são insuficientes para dar resposta aos 5.049 interessados inscritos, de acordo com o Público.

Face a estes números, o mesmo jornal noticiou que o programa estava a ser um falhanço, e não apenas em Lisboa ou no Porto, mas também noutras zonas do país. Isto levou o Ministério da Habitação a emitir uma nota de esclarecimento, onde se defende, afirmando que “o programa está em linha com as expectativas assumidas pelo Governo aquando do seu lançamento”.

E, sublinhando as declarações de Ana Pinho, secretária de Estado da Habitação, o mesmo documento refere que “o PAA é um programa de médio prazo, que não tem “efeitos imediatos” e que se espera que “entre em velocidade cruzeiro dentro de ano e meio, dois anos”.

O Governo acredita, desde o início, que “ao fim deste período cerca de 20% dos contratos de arrendamento firmados sejam feitos no âmbito do PAA”.

(Notícia atualizada às 12h27 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não há qualquer falhanço” no Programa de Arrendamento Acessível, diz o Governo. Metade das rendas está abaixo dos 500 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião