Marques Mendes diz que Governo quer que o IVA na eletricidade varie em função do consumo

No seu comentário semanal na SIC, Marques Mendes relevou “quatro novidades” sobre o Orçamento do Estado para 2020 que vai ser apresentado no próximo dia 16.

Na SIC, Marques Mendes avançou que o Orçamento do Estado para 2020 não vai mexer no IVA da eletricidade, mas deixou uma novidade. Diz que o Governo “vai propor à Comissão Europeia que a taxa de IVA possa variar em função do escalão de consumo. Ou seja, quem consome mais, paga mais”.

Quer o PSD, quer os partidos mais à esquerda defendem a descida do IVA na eletricidade dos atuais 23% para a taxa intermédia (13%) ou para a taxa mínima (6%).

Numa altura em que em São Bento teme-se uma maioria negativa que force o Governo a baixar o IVA, Marques Mendes releva uma espécie de plano B que estará a ser preparado por António Costa e que passará por tentar convencer Bruxelas a aceitar que o imposto possa variar em função do consumo. Neste cenário, a perda de receitas seria menor.

As contas do Governo apontam para uma perda líquida de receita de 771 milhões de euros caso o IVA baixe para os 6%, ou de 454 milhões de euros caso a descida do IVA da luz seja para os 13%.

No seu comentário na SIC, Marques Mendes deixou ainda pistas sobre o que poderá constar no Orçamento do Estado para 2020 que o Governo entregará no Parlamento no próximo dia 16.

Diz o comentador que o documento “prevê mais investimento e mais dinheiro para a Saúde, Habitação e para as Forças de Segurança”.

Em relação ao descongelamento das carreiras, Mendes afirma que vai custar 500 milhões de euros no próximo ano, — numa altura em que todos os funcionários públicos já estarão a receber as progressões sem cortes — um valor que já tinha sido avançado pelo ministério das Finanças.

Por fim, na parte fiscal, o comentador revela que não haverá mexidas no IRS, sendo que “a prioridade será o apoio às empresas”, que ficará dependente de um acordo em sede de Concertação Social.

O comentador não desvenda que impostos vão mudar para as empresas, mas os socialistas já prometeram melhorar o regime do IRC para as empresas que reinvistam os lucros, através de um aumento de 10 para 12 milhões de euros no limite máximo que pode ser objeto de dedução.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes diz que Governo quer que o IVA na eletricidade varie em função do consumo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião